OBRIGADO VENEZUELA!

Imagem acima: o chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, anunciou que irá disponibilizar imediatamente oxigênio para os hospitais de Manaus.

O governo venezuelano, tão criticado por Bolsonaro e seus cúmplices, vai fornecer oxigênio para ajudar a mitigar a tragédia no estado do Amazonas. O acordo para o fornecimento de oxigênio foi firmado com o governador amazonense, conforme noticiado há pouco. A gratidão ao governo venezuelano independe de posicionamentos políticos ou ideológicos. Não se trata de politizar onde não cabe politização. Até porque Israel, com um governo de direita e aliado de Bolsonaro, tem sido um exemplo na vacinação contra a Covid.

Bolsonaro, com seu negacionismo, sua omissão, sua incompetência, sua total incapacidade para gerir, desde o início, a crise provocada pela pandemia, é o maior responsável pela tragédia. Enquanto nossos vizinhos já iniciaram a vacinação e agora a Venezuela fornece oxigênio, Bolsonaro e seu ministro-paraquedista continuam lavando as mãos. Qualquer ajuda, diante desse quadro de omissão criminosa do governo federal, será bem vinda. Por enquanto, obrigado Venezuela!

FORD SAIRÁ DO BRASIL

A montadora Ford anunciou ontem que encerrará suas atividades no Brasil. A notícia caiu como uma bomba. A montadora estabeleceu-se no país em 1919 e, passado mais de um século, vem o anúncio que causará um dos maiores impactos adversos para a economia do Brasil nos últimos tempos. Só de saída, serão mais de 5 mil empregos diretos que deixarão de existir.

A justificativa oficial para a saída da montadora do Brasil é bem clara: “ambiente econômico desfavorável, agravado pela pandemia”. A pandemia causou “ambiente econômico desfavorável” em todo o mundo, mas parece que no Brasil a situação foi agravada por um governo negacionista, contrário à vacina e que tornou-se, deliberadamente, um pária no combate ao vírus. A empresa anunciou que manterá as suas fábricas em nossos vizinhos Uruguai e Argentina.

A Ford foi a primeira indústria automobilística a se instalar no Brasil. O governo insiste em afirmar que a saída na empresa não tem qualquer relação com a situação econômica e política do país. Já para os representantes do “mercado”, aquele mesmo “mercado” que apostou no Paulo Guedes e apoiou Bolsonaro, a saída da Ford explica-se pelas incertezas que rondam a economia brasileira sob o governo Bolsonaro. Rodrigo Maia, um dos representantes desse “mercado”, já começou a falar em impeachment “caso a vacina demore”. Parece que quando o traseiro do tal mercado começa a doer, a alma dessa gente é atingida. A declaração de Maia veio no mesmo dia do anúncio da Ford. Seria apenas coincidência?

A BARGANHA REQUENTADA DO MORO

Sérgio Moro tem um sonho. Segundo alguns, “um grande sonho”. O jornalista global Lauro jardim publica em sua coluna de hoje, intitulada “O grande sonho”, que Sérgio Moro tem planos para 2022. Diz Lauro Jardim em sua coluna:

“Um dos amigos mais próximos de Sérgio Moro desenhou recentemente a um interlocutor o que seriam os seus planos para 2022. Moro não será candidato. Mas apoiaria um nome que, em troca, realizaria o seu sonho: ser indicado ao STF, algo que Jair Bolsonaro prometeu e… deu no que deu”.

A barganha de Sérgio Moro parece ser a mesma de 2018. Ele seria indicado por Bolsonaro ao STF, mas acabaram brigando, o que mostra que, de vez em quando, dois fascistas não se bicam. Se a informação passada por Lauro Jardim for verdadeira, o caminho de Moro para que a barganha se efetive em 2022 será um pouco mais difícil. Isso porque, na próxima eleição, ele não terá a caneta na mão para atuar simultaneamente como promotor e juiz e condenar o primeiro colocado nas pesquisas, alijando-o da disputa. Também será mais difícil porque não sendo mais Bolsonaro seu candidato, e muito menos um nome de esquerda, terá que apoiar alguém que, sendo da direita travestido de “centro, “patina” nas pesquisas. E mesmo assim ficará a dúvida de se o eventual eleito com seu apoio irá mesmo cumprir a promessa. A barganha requentada de Moro parece ter mais obstáculos. Sonhar não custa nada…

OLARIA CEDERÁ SUAS DEPENDÊNCIAS PARA A VACINAÇÃO

Imagem acima: vista panorâmica do Olaria Atlético Clube.

O novo vice-presidente de Divulgação e Marketing do Olaria Atlético Clube, José Pinto Monteiro, informou há pouco que o Olaria Atlético Clube cederá suas instalações para a campanha de vacinação contra a Covid da Prefeitura do Rio de Janeiro. José Pinto Monteiro afirmou que o ginásio do Olaria (o maior ginásio de clubes do Rio) e o salão social serão cedidos para a campanha de vacinação. A informação foi confirmada depois de conversas com a secretária de Ação Social da Prefeitura, Laura Carneiro, que também é benemérita do clube.

O Olaria Atlético Clube, aliás, possui uma longa história em ter suas dependências como palco de campanhas de vacinação. Nos anos 1970, quando foi realizada a vacinação contra meningite, o recém-inaugurado ginásio do Olaria foi um dos locais de vacinação. Essa iniciativa mostra a importância do Olaria como instituição voltada para a responsabilidade social. É um orgulho para os olarienses e para os leopoldinenses entrarem para a história como partícipes da luta contra a Covid. Parabéns Olaria!

BRASIL DE LUTO – FORA BOLSONARO!

“Sou capitão do Exército, a minha especialidade é matar, não é curar ninguém”. (Jair Bolsonaro, em entrevista coletiva em 29 de junho de 2017, em Porto Alegre).

Quando em uma entrevista em 2017 Jair Bolsonaro declarou que “sua especialidade era matar”, ele não estava de brincadeira e nem usando qualquer linguagem figurada. Ele já havia dito que “o erro da ditadura foi torturar e não matar”. O Brasil ultrapassou no dia ontem as 200 mil mortes pelo coronavírus. Desde o início da pandemia, Bolsonaro desdenhou a tragédia: “gripezinha”, “resfriadozinho”, “coisa de maricas”, “e daí?”, “não sou coveiro”, dentre outras barbaridades eram proferidas, em achincalhes criminosos contra a tragédia. Isso, desde o início da pandemia.

Como se não bastasse a inoperância, a inércia, o negacionismo e a incompetência, Bolsonaro abriu uma guerra contra a vacina e tornou o Brasil um “pária” não apenas nas relações exteriores, mas também na imunização. O Brasil, segundo país com o maior número de mortes, ainda não iniciou a imunização, enquanto mais de 40 países já saíram na frente, inclusive os nossos vizinhos Chile e Argentina. Bolsonaro continua negando a vacina e, sempre que pode, desestimula a população de se vacinar. E a negação assassina de Bolsonaro segue ceifando vidas e enlutando famílias pelo Brasil afora. O comportamento criminoso de Bolsonaro diante da pandemia nada tem a ver com ideologia. Dos mais de 40 países que já iniciaram a vacinação, vários são de governo de extrema-direita como Bolsonaro.

A marca dos 200 mil mortos supera todas as expectativas e mostra que Bolsonaro adota mesmo uma política genocida. Razão mais do que suficiente para um pedido de impeachment que ponha fim a esse governo assassino.

Nossa solidariedade às mais de 200 mil famílias enlutadas e FORA BOLSONARO!

BOLSONARO AMEAÇA DAR GOLPE EM 2022

“Se nós não tivermos o voto impresso em 22, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos”. (Jair Bolsonaro, em 7 de janeiro de 2021).

Em mais uma fala criminosa, Jair Bolsonaro fez uma ameaça mais do que velada de dar um golpe em 2022. Ele já está, há tempos, falando da necessidade do que chama de “voto impresso”, para que os resultados do voto eletrônico sejam auditados. Já falou que a eleição de 2018 foi fraudada, sem nenhuma prova. E agora, em mais um crime de responsabilidade, ameaça as instituições ao dizer que o Brasil terá “um problema pior do que o dos Estados Unidos”, caso não seja implantado o voto impresso. Bolsonaro referia-se à invasão dos fascistas-trumpistas ao Capitólio, que tentaram dar um golpe incentivado pelo próprio Trump, por não aceitarem a derrota na eleição presidencial.

Agora Bolsonaro, já antevendo uma derrota nas urnas, anuncia que não aceitará o resultado (como, aliás, já havia dito em 2018). Ele agride as instituições democráticas e não recebe, em nenhum momento, uma resposta à altura de suas ameaças criminosas.

Não adianta o Rodrigo Maia reagir à declaração de Bolsonaro dizendo que ele “consegue superar os delírios e os devaneios de Trump”. O que Maia tinha que fazer, e ainda tem tempo para isso, era colocar em pauta um dos muitos pedidos de impeachment. Não importa se terá voto ou não no Congresso. Mas esse seria o seu papel de presidente da Câmara.

Agora, com quase dois anos de antecedência, Bolsonaro já começa a tumultuar e ameaçar o processo eleitoral de 2022. Ele sempre fala aos seus seguidores, incitando-os. Ele já quer criar um clima propício ao golpe. De uns tempos para cá, ele retomou suas falas carregadas de arroubos golpistas e antidemocráticos. Agora já ameaça as eleições de 2022. O que ele quis dizer com “problema pior que os Estados Unidos”? Se não for travado já, pela Justiça ou pelo Congresso, Bolsonaro prosseguirá em sua sanha golpista. O fascista tem que ser contido, especialmente depois de mais esse crime de responsabilidade. Antes que seja tarde e se concretize mais um estrago que poderá ser fatal para a democracia.

GOLPE DE TRUMP FRACASSOU

A tentativa de golpe de Donald Trump fracassou. Ontem ele insuflou seus fanáticos seguidores a irem à ruas e invadir o Capitólio, interrompendo a sessão que certificaria a vitória de Joe Biden. A sessão foi mesmo interrompida pela invasão dos fascistas seguidores de Trump, muitos deles armados, e que chegaram a depredar as instalações do Poder legislativo.

No entanto, após a retirada dos extremistas golpistas do Capitólio, a sessão foi retomada e o placar de 306 votos a 232, favorável a Biden no Colégio Eleitoral, foi confirmado. Apesar de alguns parlamentares trumpistas ainda insistirem em apresentar objeções, todas foram recusadas e, assim, Joe Biden está oficialmente eleito presidente dos Estados Unidos e tomará posse em 20 de janeiro.

VENEZUELA LAMENTA VIOLÊNCIA E TENTATIVA DE GOLPE NOS EUA

O governo de Nicolás Maduro, que sempre é criticado pelos Estados Unidos por ser golpista e antidemocrático, divulgou há pouco uma nota lamentando e demonstrando preocupação com os fatos ocorridos hoje nos Estados Unidos, quando manifestantes pró-Trump, incentivados pelo próprio presidente dos EUA, invadiram o Capitólio, interrompendo a sessão que certificaria o resultado do colégio eleitoral, ratificando a vitória de Joe Biden.

Trump insuflou a sua turba, que invadiu a sede do Poder Legislativo, depredou as dependências do Capitólio e acabou interrompendo a sessão. Uma mulher foi baleada e faleceu.

Desde sempre Trump colocou a democracia em risco nos EUA, não reconheceu o resultado das urnas e vem tentando, de forma golpista, manter-se no poder. Hoje foi a vez da Venezuela lamentar o risco que a democracia corre naquela que seus adversários chamam “a maior democracia do mundo”. As voltas que o mundo dá. Ficamos na expectativa do pronunciamento do “grande defensor da democracia” e cachorrinho de estimação de Trump, Juan Guaidó.

Abaixo, a nota do governo venezuelano condenando a violência e tentativa de golpe nos Estados Unidos:

LEOPOLDINA DE LUTO: FALECEU FERNANDO WILLIAM

Foi com profunda tristeza que recebemos a notícia do falecimento do vereador Fernando William, do PDT, no dia de hoje, vítima da Covid. Médico, Fernando William foi um político que se destacou pela sua luta em favor dos valores democráticos e dos ideais socialistas. Foi um grande militante na luta contra a ditadura militar e, como vereador, foi um dos poucos parlamentares em defesa das causas leopoldinenses.

O vereador Fernando William não se reelegeu nas últimas eleições municipais e, mesmo assim, não perdeu a sua postura democrática, tendo publicado uma elegante nota nas redes sociais após a derrota. Posturas como essa mostram que ele foi um verdadeiro vitorioso. A Leopoldina está de luto. O Rio de Janeiro está de luto. Mas o exemplo de Fernando William servirá de inspiração para as novas lideranças. Um exemplo de dignidade, de luta pela democracia. Um exemplo de tudo o que o Brasil precisa em prol da ética e da dignidade na política. Valeu Fernando William!

QUEBRADEIRA DO BRASIL E O ATO FALHO DO BOZO

“O PT quebrou o Brasil.” (Fala recorrente de coxinhas e bolsonaristas).

“O Brasil está quebrado. Eu não consigo fazer nada.” (Jair Bolsonaro, em 5 de janeiro de 2021).

“O Brasil quebrado” é um discurso que vem desde o golpe de 2016. Quando Temer e seus comparsas deram o golpe, falaram que “O PT quebrou o Brasil”. Temer ia consertar. Agora Bolsonaro, em mais uma confissão de incompetência, diz que “o Brasil está quebrado e nada pode fazer”. Resta saber quem quebrou o Brasil dessa vez. A culpa ainda é do PT?

Em mais uma sessão de besteiras vomitadas para a sua boiada, Bolsonaro, com sua covardia habitual, quer buscar “culpados” para seu desastroso governo e para a sua inépcia diante dos grandes problemas nacionais. Mas parece que dessa vez há mais “culpados” do que o PT. O Congresso, que não o permite realizar o que deseja, e a mídia, que agora já tem a capacidade de “potencializar” um vírus, foram novamente colocados na berlinda por Bolsonaro.

Essa história de “Brasil quebrou” não será bem recebida por investidores estrangeiros. Quem investirá em um país quebrado? Mas será que é mesmo assim? Porque no Brasil de Bolsonaro, na hora de dar nababescos aumentos para os militares, querer isentar as igrejas de seus aliados dos impostos devidos e não cobrar dívidas milionárias de empresários que são seus apoiadores, aí o Brasil não está quebrado.

Bolsonaro sabe o que o espera. Ele cometeu verdadeiros crimes. E nada tem a ver com o fato de ser de extrema-direita. Ele brincou com a pandemia. Ele brincou com a vacina. Coisas que outros líderes de extrema-direita como ele não fizeram. Nos Estados Unidos, o ultradireitista Trump já está vacinando a sua população. Na Hungria, governada pelo fascista Orbán, a vacinação também já está rolando, o mesmo acontecendo na Polônia. Israel, do grande aliado de Bolsonaro Benjamim Netanyahu, já está não apenas vacinando sua população como tomando medidas exemplares de prevenção ao vírus. Ao se atrasar na vacinação, o Brasil também se atrasará na retomada da economia. Some-se a isso o fim do auxílio emergencial, que trará consequências trágicas para milhões de brasileiros. então, chegou a hora de encontrar os “culpados”.

Como Bolsonaro nunca trabalhou (seja como militar, como deputado e agora como Presidente), ele já busca culpados para sua incompetência e fala em “quebradeira”. Ele justificou o alto nível do desemprego colocando a culpa nos trabalhadores, dizendo que grande parte deles “não sabe fazer nada”. Mas no meio de todas as sandices de Bolsonaro no dia de ontem, parece ter escapado um ato falho. No melhor “estilo Zagallo”, Bolsonaro tentou provocar seus opositores, dizendo: “Vão ter que me engolir até o fim de 2022”. Até o fim de 2022? Foi ele quem disse. Nós ouvimos. E Freud explica.