A HISTÓRIA DO BLOG

Tudo começou com um jogo de futebol. Era o dia 18 de setembro de 2010, um sábado, e o Olaria jogaria, na Rua Bariri, contra o Boavista, pela Copa Rio. Mas uma frustração aguardava os torcedores do Olaria naquele dia (e não era a derrota do time bariri!). Ao chegar ao estádio, a torcida do Olaria foi surpreendida porque o jogo seria com os portões fechados. Sem poder entrar no estádio, os torcedores olarienses foram para casa. Porém, alguns poucos torcedores conseguiram entrar no clube com dois laptops e, com o sinal de internet resolveram fazer um teste, pensando naqueles que voltaram para casa sem conseguir ver o jogo. Eles resolveram transmitir o jogo via internet. E a experiência deu certo. Surgia ali a Web Rádio Jovem Olaria. Melhor: o Olaria venceu o jogo por 4 a 3.

Começamos narrando esse episódio porque a história do blog está diretamente ligada à Web Rádio Jovem Olaria. A rádio logo se firmou e, além de transmitir jogos do Olaria, também transmitia um programa de debates esportivos e do qual participávamos, que ia ao ar todas as segundas-feiras, das 19 às 21 horas, chamado “Faixa Azul Celeste”. E foi exatamente nesse programa que surgiu um quadro, que sempre fechava o programa, chamado “Pedro Paulo Rasga a Mídia”. Era um quadro que misturava revolta com humor e que consistia em, além de soltar o verbo, rasgar, ao vivo, jornais que falassem alguma coisa errada ou depreciativa em relação ao Olaria. Com recursos de sonoplastia, chegávamos até a “quebrar” aparelhos de rádio, televisão e computador. A atitude simbolizava uma reação de indignação sobre o modo como a grande mídia abordava os chamados times pequenos e, em particular, o Olaria. Uma coisa, entretanto, temos que confessar: a ideia de “rasgar” e até “quebrar” mídias foi inspirada em um cara conservador e reacionário, o apresentador de TV Flávio Cavalcanti, que nos anos 1970 quebrava, ao vivo, discos que ele considerava de péssima qualidade musical, em seu programa na antiga TV Tupi.

Tempos depois de encerrarmos nossa participação na rádio, escrevíamos artigos de cunho político no Facebook. Eram tempos de polarização política, com as chamadas “jornadas de 2013” e as eleições de 2014. Amigos, ao lerem nossos artigos, sugeriram que eu criasse um blog, mas nunca havia pensado seriamente na ideia. Até que, em 26 de maio de 2017, resolvemos, em caráter experimental, colocar no ar o “Pedro Paulo Rasga a Mídia”, hospedado na plataforma Wix. O primeiro artigo do blog foi “Sindicatos no Brasil”. Com o suporte do técnico em informática David Abreu, colocávamos na rede a primeira versão de nosso blog, ainda sem o registro do domínio. Na ocasião, esclarecíamos que o blog teria uma linha antifascista e, politicamente, se identificaria com a esquerda, embora a independência em relação a partidos políticos seria uma norma pétrea. Aliás, exatamente para que a independência do blog seja garantida, não temos e não aceitamos qualquer apoio pecuniário de partidos, políticos, empresários ou seja lá de quem for. Até porque, em alguns momentos, tivemos que criticar o próprio comportamento e posições de alguns partidos de esquerda.

Ainda com poucos recursos de edição e sem muitas ferramentas para expandir nossos artigos, nos mantivemos na plataforma Wix até o dia 30 de agosto de 2017. Os primeiros três meses experimentais foram importantes para ganharmos experiência no duelo político virtual. Estávamos no governo golpista de Temer e os primeiros artigos do blog não poderiam deixar de ter como alvo o usurpador do PMDB e seus comparsas.

Até que, em 30 de agosto de 2017, mudamos para a plataforma WordPress e registramos o nosso domínio. Com suporte técnico de Rodrigo de Carvalho Martins (também administrador da página) o blog, embora predominantemente político, ao longo desses quase três anos e mil artigos publicados abordou, entretanto, diversos outros assuntos: história, cultura, atualidades, filosofia, arte, futebol, samba, carnaval, descobertas científicas, astronomia, curiosidades e até publicou algumas de nossas poesias. A primeira ilustração do topo da página, sugerida por Rodrigo Martins, foi uma vista parcial do acervo do Real Gabinete Português de Leitura. A partir de 2019, com outra arte de Rodrigo Martins, a antiga ilustração do topo da página era substituída pela atual, que exibe “mídias rasgadas”, como O GloboVeja e Época. A atual ilustração fala por si e dispensa legendas.

Com o tempo, fomos ficando conhecidos e, para alguém que não é celebridade, até que os números são bem-vindos. Fomos ganhando seguidores e hoje o blog já registra leitores de países de todos os continentes. Tivemos artigos republicados, dentre outros, nos sites Diário do Centro do Mundo e Reblogador, o que mostra que nossa mensagem foi chegando em searas muito importantes. Mas também (o que era esperado), sofremos hostilidades vindas de fascistas, especialmente bolsonaristas (não sei se robôs, humanos ou sub-humanos). Mas, para quem mantém no ar um blog de linha esquerdista e antifascista, as hostilidades vindas do outro lado são “cavacos do ofício”.

No dia 1º de março de 2020 o blog atingiu a marca de 1000 artigos publicados. Em tempos de obscurantismo e com o fascismo no poder, queremos ser uma gota de resistência nesse incêndio que um crápula chamado Aécio Neves falou que jogaria o país em 2014, quando perdeu a eleição. E deu no que deu. Se bem que, embora haja quem discorde, a situação atual começou a ser gestada em 2013. Queremos agradecer àqueles que vêm colaborando para o nosso blog, especialmente ao também administrador Rodrigo de Carvalho Martins. Tudo é na base do puro diletantismo, porém, com independência. Queremos continuar contando com você leitor, amigo, seguidor. Todos vocês são parte da história desse blog que já rendeu mais de 1000 artigos e que continuará, custe o que custar, sendo uma voz intransigente na luta pela democracia e contra o fascismo no Brasil.