BOLSONARO NÃO SABE QUANTO É 7 X 8

“Agora, a maioria ali é militante, não tem nada da cabeça. Se perguntar quanto é 7×8, não sabe. Se perguntar qual é a fórmula da água, não sabe. São uns idiotas úteis, uns imbecis que estão sendo usados como massa de manobra.” (Jair Bolsonaro, atacando os estudantes brasileiros, em maio de 2019).

Em maio de 2019, ao atacar os estudantes brasileiros, Jair Bolsonaro chamou-os de “massa de manobra, idiotas úteis, imbecis que não sabem a fórmula da água ou quanto é 7 X 8.”

Mas ontem, em seu mentiroso e delirante discurso na Assembleia Geral da ONU, Bolsonaro é que demonstrou não saber fazer contas. Seria Bolsonaro uma massa de manobra? Ou seria ele um idiota e imbecil? Ou, além de tudo isso, um mentiroso sem nenhum escrúpulo?

Bolsonaro, dentre as muitas mentiras ditas ao mundo, afirmou que seu governo pagou 1000 dólares de auxílio emergencial durante a pandemia. Vamos às contas:

A cotação do dólar, no dia 22 de setembro (dia do discurso) foi de R$ 5,44. O governo pagou 3 parcelas de R$ 600,00, totalizando R$ 1.800,00. Depois, mais duas parcelas de R$ 600,00, ou seja mais R$ 1.200,00. E agora, serão mais 4 de R$ 300,00, ou seja, mais R$ 1.200,00. Somando-se todas as parcelas, temos o valor de R$ 4.200,00. Dividindo-se 4.200,00 por 5,44 (valor do dólar em 22/9), chegamos ao resultado de US$ 772,05. Ou seja, muito longe dos 1000 dólares que Bolsonaro, descaradamente, falou que pagou durante a pandemia.

Não sei se Bolsonaro sabe a fórmula da água. Mas uma operação simples de aritmética ele não sabe fazer e com certeza ele não sabe quanto é 7 X 8. Ou então ele é um idiota útil. Ou um imbecil. Ou um mentiroso deslavado. Ou tudo isso junto. Decidam aí.

POVOS INDÍGENAS REAGEM AOS ATAQUES DE BOZO NA ONU

“Ao culpabilizar novamente povos indígenas e comunidades tradicionais pelas queimadas na Amazônia, Jair Bolsonaro consolida a mentira como política de governo durante Assembleia Geral da ONU, hoje (22). A Apib protocolou, também nesta terça-feira, no Supremo Tribunal Federal (STF) uma interpelação para que o governo explique na justiça as mentiras que propaga e comunicou à ONU os ataques feitos aos povos indígenas.” (Trecho da nota oficial da APIB, repudiando as acusações de Bolsonaro feitas em seu discurso na ONU.)

As irresponsáveis e covardes acusações feitas por Bolsonaro, em seu vergonhoso discurso na Assembleia Geral da ONU, quando acusou indígenas e caboclos de serem os culpados pelas queimadas na Amazônia e no Pantanal, levou a APIB (Associação dos Povos indígenas do Brasil) a emitir uma nota de repúdio à criminosa fala de Bolsonaro. Além da nota publicada, a entidade também protocolou, no STF, uma interpelação para que o governo dê explicações sobre as mentiras que propaga em relação aos povos indígenas. Como contraponto do vergonhoso e covarde discurso de Bolsonaro, a APIB também denunciou à ONU os ataques perpetrados pelo governo genocida de Jair Bolsonaro às populações indígenas.

Abaixo, o link com a íntegra da nota oficial em que a APIB repudia as acusações e ataques feitos por Jair Bolsonaro aos povos indígenas:

BOZO NA ONU: MENTIRAS EM REDE MUNDIAL

Ridículo, mentiroso, negacionista e, como não poderia deixar de ser, bajulador dos Estados Unidos. Assim pode ser resumido o vergonhoso discurso de Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU. O rocambolesco discurso aconteceu no dia em que o Brasil já está perto das 140 mil mortes pela Covid-19. Bolsonaro, que sempre fez pouco caso das vítimas fatais, desde o seu “E daí?” até o “Não sou coveiro!”, iniciou o discurso “lamentando” as mortes da tragédia que ele próprio um dia chamou de “gripezinha”. Cínico! Debochado!

Ele mentiu descaradamente, culpando índios e caboclos pelos incêndios nas florestas, e omitindo a verdade, que é a destruição ambiental perpetrada pelos seus aliados de madeireiras, garimpos clandestinos e a turma do agronegócio. Ele omitiu, por exemplo, o “dia do fogo”, planejado e executado criminosamente por seus aliados ruralistas. Mas, para ele, é tudo culpa de índios e caboclos.

Ele falou para o mundo que “o Brasil é um país conservador e cristão”. Mas o Brasil não é cristão, nem judeu, nem muçulmano, nem espírita, nem budista, nem ateu… Porque o Brasil é, desde 1889, um Estado laico. Falou em “cristofobia”, quando não existe no Brasil qualquer histórico de ataque ou perseguição aos cristãos. Ao contrário, “falsos cristãos” é que atacam terreiros espíritas e membros de religiões de matrizes africanas é que são vítimas de toda sorte de preconceitos, até mesmo de assassinatos. Mentiroso!

Disse que o auxílio emergencial durante a pandemia, que é de 600 reais, mas que se dependesse do seu governo seria de 200, somou um total de 1000 dólares, quando esse total não chega a 800 dólares. Mentiroso!

Entre outras declarações ridículas, falou da cloroquina e até do tal “óleo venezuelano” que poluiu nosso litoral. Afinal, a culpa pelo derramamento foi do óleo ou do navio?

Criticou a “ditadura venezuelana”, mas nada falou sobre ditaduras que ele apoia, como Arábia Saudita e Emirados Árabes por exemplo. Para terminar, como sempre, bajulou Trump, a quem parabenizou pelos “acordos de paz” entre Israel e os países árabes. Que acordos de paz? Dessa até o Trump riu!

Enfim, foi um discurso típico de um “tirano de aldeia”, preocupado em falar mais para a sua bolha de apoiadores no Brasil e tentando ainda se colocar na posição de “coitado” e “perseguido”, ao inventar que seu governo vem sendo vítima de “brutal campanha de desinformação”. O discurso dele é que tentou desinformar o mundo sobre o que está acontecendo no Brasil. Com direito a uma péssima dicção, língua presa e levando uma surra do teleprompter.

VIVA CAROL SOLBERG!

“O Pantanal queimando, quase 140 mil mortes por Covid, o desgoverno do jeito que está e eu que vou ser punida?” (Carol Solberg, em entrevista, sobre a possibilidade de seu punida pela sua manifestação contra o fascista Jair Bolsonaro).

O protesto político da atleta de vôlei de praia Carol Solberb, no último domingo, quando gritou ao vivo, durante uma entrevista na Sportv, um retumbante “Fora Bolsonaro!”, colocou a atleta sob ameaça. Tanto de fascistas bolsonaristas nas redes sociais como até mesmo de uma possível punição por parte da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). A CBV fala que “tomará providências”. Que providências?

Porém, se a manifestação antifascista de Carol Solberg redundar em alguma punição por parte da CBV, ficará configurado que a entidade usa “dois pesos e duas medidas” e tem um viés político-ideológico. Isso porque a própria Carol lembrou outro episódio ocorrido no voleibol, em 2018, quando o atleta Wallace, em gestos com as mãos, fazia alusão ao número 17, em um explícito apoio a Bolsonaro, e nas mesmas condições em que Carol fez o seu protesto: dentro de quadra, ao vivo e com o uniforme oficial. Porém, na época, em momento algum ouviu-se o termo “punição” para o atleta bolsonarista. Carol mencionou esse episódio em sua entrevista: “Teve outra história no vôlei, do Wallace, que não sofreu punição”, disse Carol Solberg.

Porém, independente de qualquer outra coisa, o “Fora Bolsonaro!” de Carol Solberb ecoou pelo mundo e ela não recebeu apenas ameaças, mas muitas manifestações de apoio. E Carol acrescentou: “Mas a verdade é que as pessoas que importam, que são bacanas, que eu dou valor, estão comigo e me deram a maior força. O maior medo que tenho é em relação à democracia.”

Viva Carol Solberg! E Fora Bolsonaro!

FLÁVIO: O DANÇARINO FUJÃO

Flávio Bolsonaro, expressando toda a covardia que caracteriza o clã fascista, fugiu da acareação com o empresário Paulo Marinho, seu ex-aliado, que estava marcada para ontem na sede do Ministério Público Federal, no Rio de Janeiro. O encontro “cara a cara” de Paulo Marinho com Flávio Bolsonaro tem por finalidade apurar o vazamento da operação “Furna da Onça”, que atingiu o laranja da família Bolsonaro, o miliciano Fabrício Queiroz.

Alegando “compromissos oficiais”, Flávio Bolsonaro na verdade deixou de comparecer à acareação para ir até Manaus e participar do programa do bolsonarista Sikera Jr., que é transmitido pela Rede TV. Lá, em tom de deboche, o senador fujão dançava, enquanto Paulo Marinho o aguardava para a acareação. Na grotesca cena de seu “compromisso oficial”, um dos participantes da performance dançava usando uma máscara de burro. Cena ridícula e nojenta, que mostra até onde a covardia e o deboche dessa gente é capaz de chegar. Será que ele está com medo de desmaiar na acareação?

A covardia vem de família. O pai fugiu dos debates e agora quer fugir do depoimento presencial na Polícia Federal. Agora o filho foge da acareação para ir dançar em Manaus junto com um paspalho trajando máscara de burro. Assistam ao vídeo do “compromisso oficial” de Flávio, o fujão:

VÍDEO: CAROL DÁ UMA “CORTADA” NO FASCISMO

“Só para não esquecer: Fora Bolsonaro!” (Carol Solberg, atleta do vôlei de praia, em entrevista ao vivo na Sportv, em 20 de setembro de 2020).

Carol Solberg, a parceira de Talita no vôlei de praia, deu a mais importante “cortada” de sua carreira ontem, ao mandar um “fora Bolsonaro”, ao vivo, durante uma entrevista à Sportv após a conquista da medalha de bronze na primeira etapa do Circuito Brasileiro do Vôlei da Praia.

Imediatamente os bolsonaristas foram às redes sociais para atacar Carol Solberb e pedir que o Banco do Brasil suspenda o “patrocínio” que eles pensam que a atleta tem do banco estatal. Nos tuítes, os bolsonaristas protestavam, dizendo que não se pode fazer ativismo político com patrocínio do Estado. No entanto, a atleta Carol Solberg não tem qualquer patrocínio do Banco do Brasil. O top que ela usou tem a logomarca do banco por ser o banco o fornecedor do uniforme. Só isso. Ela não é patrocinada pelo Banco do Brasil.

Seria bom os bolsonaristas olharem para seus próprios rabos e pensarem sobre o uso de dinheiro público para fazer “rachadinhas” e empregar milicianos e funcionários fantasmas em gabinetes parlamentares. No mais, nosso total apoio à atleta Carol Solberg. “Fora Bolsonaro!”

Abaixo, o vídeo do “Fora Bolsonaro!” de Carol. O melhor está no final!

É GUERRA! RECORD MOSTRA DELAÇÃO DE DOLEIRO CONTRA GLOBO!

A Globo já teve acesso “exclusivo” a muitas delações, levou-as ao ar com fins políticos e seus comentários sempre foram cobertos de “isenção jornalística”. Mas hoje há uma outra poderosa, a TV Record do bispo Macedo e aliada de Bolsonaro que também leva, com exclusividade, delações ao ar. E ontem, no programa “Domingo Legal”, a emissora bolsonarista do bispo Macedo levou ao ar a delação de Dario Messer, vulgo “doleiro dos doleiros”. Na delação, Dario Messer conta como entregou milhões de dólares para a família Marinho. Tudo para facilitar transações financeiras clandestinas dos donos da Rede Globo.

A Globo, que sempre levou delações ao ar, agora é alvo de uma delas. Ao vivo. Na TV. Para todo Brasil. Já ouviram falar que “pau que bate em Chico bate em Francisco”? Pois é… Mas “no dos outros é refresco”. Eu mesmo quero mais é que as duas se explodam!

Por ironia do destino, um dos jornalistas que apresenta a delação é Sérgio Aguiar, ex-Globo. Assistam ao vídeo:

PRAIA OU FUTEBOL? OS DOIS!

“Praia e sol, Maracanã e futebol, domingo…” (Trecho da canção “Praia e Sol”, Bebeto).

Crivella não é apenas um fundamentalista, reacionário e corrupto governando a cidade do Rio de Janeiro. Ele é avesso a tudo o que caracteriza o Rio. Não gosta de samba, odeia o Carnaval e o Reveillon e não está nem aí para as tradições da cidade. Ele sempre se recusou a fazer a entrega simbólica da chave da cidade para o Rei Momo, na abertura do Carnaval, uma das maiores tradições cariocas. Mas fez questão de fazer a entrega real da chave da cidade, durante o ano inteiro, ao empresário Rafael Alves.

Dentre suas ideias ridículas e rocambolescas, dignas de quem não tem noção sequer da cidade em que pisa, mas que foi eleito para “governar”, Crivella chegou a propor a divisão da praia em “quadradinhos” para evitar aglomerações durante a pandemia. Claro que virou piada.

Agora, a praia voltou ao enredo de mais uma comédia pastelão do prefeito fundamentalista. Sua mais “genial” proposta consiste em liberar o público para os jogos no Maracanã para, com isso, diminuir o número de pessoas nas praias. Sempre que, em um domingo de sol, o jogo da TV, às 4 da tarde, está sendo exibido ao vivo do Maracanã, os locutores repetem o que já é conhecido: “o carioca aproveitou o domingo de sol na praia e da praia veio direto para o Maracanã.” Simples assim. Quem foi que disse que, com praia e futebol à tarde, o carioca vai à praia e de lá para a casa? Ou vai apenas ao futebol? Só mesmo o Crivella! Resultado: aglomeração na praia e no Maracanã!

UNIÃO DAS ESQUERDAS: O EXEMPLO DE FLORIANÓPOLIS

A luta eleitoral contra o bolsonarismo começa agora e não em 2022. E aquela sempre “falada” e “sonhada” união das esquerdas, que na maioria das vezes pareceu impossível, terá uma honrosa exceção em Florianópolis nas eleições municipais de 2020. Florianópolis, assim como o estado de Santa Catarina de um modo geral, são redutos bolsonaristas. E na capital catarinense os partidos de esquerda conseguiram formar uma frente que lançará uma única chapa. A frente conta com o PSOL, PT, PSB, PDT, PCdoB e até o mais novo partido de esquerda, a UP (Unidade Popular, criada em 2016). A negociação, depois de meses de conversas, definiu que a frente das esquerdas terá Elson Pereira, do PSOL, como o candidato a prefeito e Lino Peres, do PT, completará a chapa como vice-prefeito. Tudo para enfrentar o atual prefeito, Gean Loureiro, do DEM, que concorre à reeleição.

Enquanto isso, nas duas maiores cidades do país, as esquerdas estão mais espatifadas do que ovo de Páscoa em promoção. Em São Paulo, as esquerdas se dividiram em Jilmar Tatto (PT), Guilherme Boulos (PSOL, com apoio do PCB e UP), Orlando silva (PCdoB), enquanto o PDT apoia Márcio França, do PSB.

Já no Rio de Janeiro, Benedita da Silva, do PT, tem o apoio do PCdoB. O PSOL vem com Renata Souza. O PDT, com Martha Rocha, apoiada pelo PSB. No caso do Rio de Janeiro, essa fragmentação das esquerdas dificulta, e muito, a ida de uma alternativa mais progressista para o segundo turno e abre grande possibilidade de o eleitor carioca ter que optar, no segundo turno, entre o fundamentalista Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM).

O resultado eleitoral das capitais será importante para o pleito nacional de 2020. Bolsonaro é covarde, não quer explicitar apoio (embora acene para alguns) e é evidente que ele está de olho especialmente nas capitais. Mas é certo que no segundo turno ele “entrará em campo” para evitar o avanço das esquerdas.

Florianópolis mandou uma importante mensagem para o Brasil: é possível sim uma união das esquerdas em grandes cidades. Elson Pereira, o candidato da frente das esquerdas, pode até nem ir para o segundo turno. Eleição muitas vezes traz surpresas. No entanto, as chances do eleitor de esquerda de Florianópolis ter que “tapar o nariz” votando no “menos pior” ou ter que anular o voto serão bem menores. Já em São Paulo e no Rio de Janeiro…

DA GOIABEIRA PARA O STF? EU ACREDITO!

“Quero ver a senhora no STF, ministra Damares.” “Damares no STF!” (Mensagens de bolsonaristas nas redes sociais defendendo a indicação da ministra fundamentalista Damares para o STF).

“Campanha por Damares no STF chega a gabinetes da Corte.” (Mônica Bergamo, jornalista da Folha de São Paulo).

Em um governo que já nomeou um semianalfabeto para ministro da Educação; que já nomeou um general-paraquedista para ministro da Saúde; que já nomeou um condenado por crime ambiental para ministro do Meio Ambiente; que já nomeou um militar para a “Casa Civil”; que já nomeou um nazista para a Secretaria de Cultura, com direito a performance ao vivo; que já nomeou um negro racista para presidir a Fundação Palmares; que já nomeou um coronel do Exército para presidente da Funarte, qual a incoerência em nomear a Damares para ministra do STF?

O lobby dos fascistas já vem rolando nas redes sociais e agora a jornalista Mônica Bergamo nos informa que a campanha já chegou aos gabinetes da Suprema Corte. Não duvidem do Bolsonaro. Até porque a dita cuja é “terrivelmente evangélica” e “terrivelmente fundamentalista”. Bolsonaro seria capaz de nomeá-la até mesmo para esculachar o STF. Pelo que esse governo já fez e ainda faz, não seria nenhum absurdo a nomeação da ministra fundamentalista para a Suprema Corte. Portanto, não duvidem do que Bolsonaro é capaz de fazer para destruir e denegrir as instituições.