BOZO, “O DALTÔNICO”, CENSUROU NOTÍCIA DE ASSASSINATO

Jair Bolsonaro, que se diz “daltônico”, pois para ele, como o próprio afirmou, “todos têm a mesma cor”, ordenou que a notícia sobre o assassinato de João Alberto por seguranças do supermercado Carrefour na véspera do Dia da Consciência Negra fosse ignorada pela EBC, a Empresa Brasil de Comunicação, administrada pelo governo federal.

O próprio Bolsonaro não se manifestou sobre o assassinato de João Alberto, dizendo ser “daltônico”. Não satisfeito, ainda ordenou aos funcionários da EBC que não mencionassem o assassinato, que ganhou repercussão mundial. Essa outra vergonha do governo Bolsonaro pode ser vista com detalhes em reportagem do jornalista Guilherme Amado, da revista Época, em matéria publicada no site da revista neste sábado, 28 de novembro.

Tanto Bolsonaro como o seu vice Mourão negaram explicitamente a existência do racismo no Brasil. A censura imposta à notícia do assassinato de João Alberto é mais uma mostra do que esse governo fascista representa.

Se o gestor da EBC demonstrasse um mínimo de dignidade, teria se demitido diante de uma censura absurda e inadmissível. Mas o senhor Glen Lopes Valente, que é publicitário e preside a EBC, acatou a ordem de censura a um episódio de repercussão mundial. Está provado que a EBC transformou-se em mais uma ferramenta a serviço do fascismo bolsonarista e não a serviço do país.

MARADONA E O INFINITO

Aquele Argentina X Inglaterra na Copa do México, em 1986, não foi “apenas mais um jogo de futebol”. Como muitos jogos de futebol não são apenas “jogos de futebol”, apesar de os “metafísicos da bola” muitas vezes fazerem essa separação. Antes da Copa do México de 1986, da qual Maradona sairia consagrado como o maior craque argentino e um dos maiores do mundo, os argentinos estavam com a moral baixa. No futebol, haviam ganho a primeira e até então única copa em 1978, em uma conquista que para sempre será suspeita e contestada. Então detentores do título mundial, os argentinos foram à Copa da Espanha, em 1982, para defendê-lo. Mas acabaram eliminados pelo Brasil, de forma incontestável. E essa eliminação acabaria com a expulsão de Maradona no finalzinho do jogo. Então, os argentinos agora eram “ex-campeões” do mundo.

Mas não era só no futebol que a moral estava baixa. Pouco antes da eliminação na Copa de 1982, a Argentina havia sido humilhada pelos ingleses na Guerra das Malvinas, que a ditadura militar argentina havia arranjado para tentar angariar alguma popularidade. Os argentinos foram impiedosamente derrotados e parecia que, tanto no futebol quanto no sentimento nacional, os argentinos não teriam mais motivos para se orgulharem.

Mas alguém teria que mudar esse sentimento. E esse alguém foi Diego Maradona. Ele não foi importante para a Argentina só no futebol. Ele resgatou para os argentinos o orgulho de serem argentinos. Ele trouxe de volta um sentimento que havia escapado. E a oportunidade para isso viria exatamente em um jogo contra a Inglaterra. Maradona, que já se destacava naquela Copa, esculachou a Inglaterra com dois gols. Um, uma das maiores obras-primas da história do futebol. Outro, o famoso gol da “mão de Deus”. Então, a Argentina, ou melhor, Maradona e mais outros, partiram para a conquista de um título incontestável, depois de uma vitória sobre a Inglaterra para lavar a alma.

O título de 1986, na Copa que foi do Maradona, eliminando a Inglaterra e conquistado de forma consagradora, rejuvenesceu o sentimento dos argentinos. E foi muito além do futebol. Ele, Maradona, personificava naquela conquista o orgulho de ser argentino. Sem tiros, sem bombas e sem a ditadura militar querendo capitalizar, como foi em 1978.

Ontem Maradona nos deixou. Como dizem seus mais inflamados fãs: “Não importa o que ele fez com a vida dele, importa o que ele fez com a nossa vida”. E eu iria além: importa o que ele fez com a vida dos argentinos. E mais: importa o que ele fez com o futebol. Depois de Maradona, tanto o povo como o futebol argentino nunca mais foram os mesmos. E nunca deixarão de ser. Até o infinito, que parece ser limitado para tanto sentimento.

GENERAL-FANTOCHE E LOGÍSTICO SEM LOGÍSTICA

O general Eduardo Pazuello, que aceitou o ridículo papel de ser um fantoche do Bolsonaro no Ministério da Saúde, tinha a seu favor o fato de ser um grande entendedor de logística. Ou seja, mesmo sendo um fantoche, ele era um “logístico”. Seria bom, então, o general-fantoche-logístico explicar como 6, 8 milhões de testes para Covid-19 estão estocados em Guarulhos e perto do vencimento do prazo de validade. Esse estoque, que deveria ser distribuído aos estados e municípios, está mofando em um galpão em Guarulhos, enquanto milhões de pessoas precisam da testagem. O custo para os cofres públicos foi de quase 300 milhões e são testes considerados os mais precisos, detectando se o paciente está ou não infectado.

Trata-se de um crime contra a saúde pública, contra os cofres públicos e contra a humanidade. Onde estaria a “logística” do general que não conseguiu realizar a distribuição aos estados e municípios? Por que os testes, tão importantes no combate à pandemia, ficaram mofando em um galpão? O destino, ao que parece, será ter que descartar tudo, jogando fora quase 300 milhões de reais. Onde está o general-paraquedista para se explicar?

Um recorde absurdo e inaceitável está prestes a acontecer e, infelizmente, não é brincadeira: o Brasil está prestes a descartar mais testes do que o SUS já realizou até o momento, visto que o Sistema de Saúde só aplicou 5 milhões de testes do tipo que está estocado e próximo do vencimento. É um crime!

A Câmara dos Deputados e o Ministério Público já pediram explicações e esse absurdo crime contra a saúde e os cofres públicos não pode passar impune. Começo a desconfiar da “logística” do general. Parece que ele é só fantoche mesmo.

CRIVELLA, UM IMUNDO QUE JOGA SUJO

Mais uma vez Marcelo Crivella, o prefeito fundamentalista, antevendo o massacre que sofrerá nas urnas no próximo domingo, e em total desespero, apela para golpes baixos e afirmações falsas e criminosas. Apoiado por Bolsonaro, a imundície de Crivella não tem limites e ele usa as mesmas táticas neonazistas de Bolsonaro e seus seguidores.

Depois de ter afirmado, criminosamente, que o PSOL ganharia a Secretaria de Educação e as escolas municipais teriam pedofilia em caso de vitória de Eduardo Paes agora, continuando com seu jogo imundo, Crivella faz as mesmas afirmações canalhas e absurdas que Bolsonaro e seus milicianos virtuais fizeram em 2018. Em campanha nesse domingo, o último antes do segundo turno, Crivella espalhou propagandas afirmando que “Eduardo Paes e seus amigos (referindo-se ao PSOL e Freixo) defendem a legalização do aborto, a liberação das drogas e o kit gay nas escolas”. Afirmações criminosas, aberrantes, caluniosas, típicas de vermes podres e imundos como Crivella e seus comparsas. Até o “kit gay” os patifes ressuscitaram!

A massacrante derrota que sofrerá no domingo, junto com seu padrinho fascista do Planalto, ainda é pouco. Esse canalha e todos os seus comparsas que são responsáveis pelas acusações levianas e criminosas devem ser punidos com rigor na forma da lei. Canalhas! Canalhas! Canalhas!

A “FRENTE AMPLA” EM SÃO PAULO

Finalmente uma frente ampla de esquerda e centro-esquerda foi formada em São Paulo para apoiar a candidatura de Guilherme Boulos (PSOL) no segundo turno, contra o tucano Bruno Covas. A frente ampla que surgiu na eleição paulistana conta com PT, PDT, PCdoB e Rede. Lula, Ciro Gomes, Flávio Dino e Marina Silva gravaram vídeos em apoio à candidatura de Boulos e, assim, podemos dizer que foi possível formar a tal frente ampla de esquerda e centro-esquerda. Se bem que nenhum dos partidos, dadas as alternativas, teria como negar o apoio a Boulos. Quanto à Marina Silva, ficamos sempre com “um pé atrás”. Será que se Boulos fosse do PT ela apoiaria? Ou faria como fez em 2014, apoiando o Aécio por pura vingança contra o PT? Não sei. De qualquer modo, nasceu uma frente ampla.

A grande questão é viabilizar essa frente para 2022. Porque, potencialmente, Lula, Ciro, Dino e Marina são presidenciáveis. E em 2022, quem abriria mão? E quem viria na cabeça? E quem viria como vice? Porque uma coisa é essas lideranças apoiarem um candidato sem nenhum deles estar na disputa. Outra coisa é todos aspirarem disputar a Presidência da República. Portanto, a pergunta que fica, e que é a pergunta essencial, é: essa frente sobreviveria e chegaria a um acordo para 2022? Ou as vaidades, ressentimentos, picuinhas e vinganças pueris serão mais fortes? Aguardemos!

GOVERNO NEGACIONISTA NEGA O RACISMO

“No Brasil não existe racismo”. (General Mourão, Vice-Presidente da República, em 20 de novembro de 2020).

“Não existe racismo estrutural no Brasil”. (Sérgio Camargo, Presidente da Fundação Palmares, em 20 de novembro de 2020).

No Dia Nacional da Consciência Negra, as deploráveis declarações do vice-presidente da República e do presidente da Fundação Palmares são, no mínimo, criminosas. Ao comentarem o covarde e brutal assassinato de João Alberto Silveira Freitas, negro que foi espancado até a morte por dois seguranças do Carrefour em Porto Alegre, tanto Mourão como Sérgio Camargo limitaram-se a negar o racismo. O negacionismo, aliás, é a marca permanente do governo fascista de Bolsonaro: um governo que nega o aquecimento global, que nega o globalismo, que nega a votação eletrônica, que nega a pandemia e que também nega o racismo.

As declarações do general Mourão de de Sérgio Camargo os colocam como cúmplices do crime de racismo e reforçam a prática de atos racistas, como foi o assassinato de João Alberto. Lamentáveis e deprimentes, as declarações de Mourão e Camargo, negando o racismo no Brasil, merecem toda nossa repulsa e mostram que, se depender do governo Bolsonaro, crimes como os que tiraram a vida de João Alberto ficarão impunes. Aliás, ainda aguardamos o pronunciamento de Bolsonaro sobre o brutal assassinato. E será que precisamos aguardar? Talvez não. Mourão e Camargo já falaram por ele.

VÍDEO: MANIFESTANTES DEPREDAM CARREFOUR

O estúpido e covarde assassinato de João Alberto de João Alberto Silveira Freitas por dois seguranças de uma unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre desencadeou ontem, Dia Nacional da Consciência Negra, uma série de protestos. João Alberto era negro e não há dúvidas de que foi covardemente morto por causa de sua cor. Os protestos alastraram-se por várias partes do país, mas em São Paulo eles se radicalizaram.

Manifestantes invadiram um supermercado Carrefour em São Paulo, destruíram mercadorias e chegaram a atear fogo no estabelecimento. Tudo começou com um ato de protesto na Avenida Paulista. Posteriormente, manifestantes foram até o Carrefour localizado na rua Pamplona, invadiram o estabelecimento e destruíram mercadorias em protesto contra o assassinato de João Alberto e contra o racismo. Assistam ao vídeo:

ASSASSINOS DO CARREFOUR TÊM PRISÃO DECRETADA

“Existe pele alva e pele alvo.” (Leandro Roque de Oliveira, o Emicida, cantor e compositor).

A prisão preventiva dos assassinos que mataram João Alberto Silveira Freitas acaba de ser decretada pelo juiz Cristiano Vihalba Flores, do foro de Porto Alegre. Os assassinos, “seguranças” do supermercado Carrefour em Porto Alegre, são Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva. Eles espancaram até a morte a vítima, um homem negro desarmado, em uma das barbáries racistas mais covardes já vistas em nosso país. E o assassinato aconteceu exatamente na véspera do Dia da Consciência Negra. Em sua decisão, o juiz enfatizou a brutalidade cometida no assassinato de João Alberto.

A vítima, segundo testemunhas, teria se desentendido com uma funcionária do supermercado. Os seguranças, ou melhor, assassinos, acabaram seguindo e espancando João Alberto até a morte. Foi uma execução, um homicídio covarde, bárbaro e doloso. E, lamentavelmente, com a marca do racismo.

Agora, os assassinos acabam de ter a prisão preventiva decretada. Que a justiça seja feita e que esses criminosos, assassinos e racistas, sejam punidos na forma da lei.

VÍDEO: CRIVELLA FAZ ACUSAÇÃO CRIMINOSA!

Imagem acima: Crivella e seu comparsa, o deputado federal Otoni de Paula, acusaram o PSOL de praticar pedofilia nas escolas.

“O PSOL está com o Eduardo Paes. O PSOL vai tomar conta da Secretaria de Educação. Você imagina pedofilia nas escolas…” (Crivella, acusando criminosamente o PSOL, em 19 de novembro de 2020).

A podridão de Crivella chegou ao nível mais imundo e subterrâneo que se possa imaginar. Desesperado com a derrota implacável que sofrerá no próximo dia 29 Crivella, no melhor estilo bolsonarista, fez uma acusação absurda e criminosa. Em um vídeo, na companhia de seu comparsa, o deputado federal Otoni de Paula, do PSC, Crivella afirmou que “O PSOL está com o Eduardo Paes. O PSOL vai tomar conta da Secretaria de Educação. Você imagina pedofilia nas escolas…” . No vídeo o comparsa de Crivella, Otoni de Paula, confirma a absurda e criminosa acusação.

O PSOL já informou que irá processar os dois criminosos caluniadores. Crivella provou que é um ser abjeto, imundo, repugnante, fascista e criminoso. Assistam ao vídeo com a absurda acusação de Crivella junto com seu comparsa:

VÍDEO: CRIVELLA CHAMA DORIA DE “VIADO” E “VAGABUNDO”

“Sabe de quem é essa OS de São Paulo? É do Doria. Viado! Vagabundo!”. (Crivella, prefeito do Rio, em reunião com apoiadores, em 18 de novembro de 2020).

O que era para ser uma simples e reservada reunião com apoiadores, mais parecia um culto da Universal, daqueles em que o pastor, ensandecido, realiza sessões de exorcismo ou curandeirismo.

Bem diferente daquela fala mansa e pausada com que aparece em suas propagandas Crivella, aos berros, diz impropérios e ainda aproveita para chamar o governador de São Paulo, João Doria, de “viado” e “vagabundo”. Um ocaso digno de quem deixou uma cidade em ruínas e será defenestrado impiedosamente nas urnas dia 29. A tal “reunião” foi nesta quarta-feira, 18 de novembro, e o vídeo vazou. Assistam: