DINO E AS LIÇÕES DA HISTÓRIA

dino 3

“O Brasil vive uma conjuntura de trevas. Nós temos uma ameaça objetiva à vida democrática, à dissolução da nação. O nazismo está entronizado como política de Estado daqui e de acolá. O vídeo de Roberto Alvim não é algo isolado. É preciso ter responsabilidade.” (Flávio Dino, do PCdoB, governador do Maranhão, em entrevista à Folha/UOL, em 22 de janeiro de 2020).

Flávio Dino, o governador do Maranhão que foi chamado por Bolsonaro de “governador de paraíba que não deveria receber nada”, finalmente explicitou a necessidade pela qual a conjuntura política brasileira atual clama: é necessária a formação de uma frente ampla para combater a bolha nazi-fascista do bolsonarismo que está no poder. Flávio Dino parece não ter esquecido as lições de história e as conjunturas em que foram formadas as frentes amplas. Na época da ascensão do nazi-fascismo na Europa, entre os anos 1920 e 1930, formaram-se frentes antifascistas integradas por comunistas, socialistas e liberais. Tudo para combater e evitar a metástase do fascismo. O mesmo ocorreu no Brasil, nos anos 30, quando a Aliança Nacional Libertadora, uma frente de esquerdas, formou-se para combater o integralismo, a versão brasileira do fascismo.

O Brasil vive um momento onde definitivamente não há lugar para vaidades, egos ou disputa pela liderança da oposição. O momento atual do Brasil é de grave ameaça à democracia e ao Estado de direito e essas ameaças não têm sido pontuais. A fala nazista de Roberto Alvim, o secretário de Cultura nomeado por Bolsonaro, como bem disse Flávio Dino, não é algo isolado. Os ataques do bolsonarismo à imprensa e ao Poder Judiciário, as sucessivas menções a uma reedição do AI-5, os pedidos de bolsonaristas para o fechamento do STF, a censura, o nacionalismo exacerbado que escolhe “inimigos da Pátria”, associados ao fundamentalismo religioso colocam o Brasil em uma era obscurantista, onde o sectarismo e as vaidades políticas farão com que a escuridão do túnel pelo qual passamos aumente ainda mais.

Flávio Dino, ao defender a necessidade de uma frente ampla para combater o fascismo, em entrevista à Folha/UOL, foi bem claro:

“O que eu tenho defendido com a ideia da frente ampla é a compreensão de que, quando você está num quadro de defensiva estratégica, que é o que nós vivemos em 2013, e mais acentuadamente desde o impeachment, você tem de reunir forças para retomar as condições de apresentar o seu programa, transformá-lo em vitorioso e implementá-lo.” 

Dino está tão convicto, assim como nós, da necessidade de uma frente ampla, que já conversou até como direitista Luciano Huck. Não é hora de “petismos”, “psolismos”, “lulismos” ou qualquer outra denominação de vertente política que divida a oposição, o que só favorecerá o fascismo. Lideranças como Lula e o PT, Ciro Gomes e o PDT, Marcelo Freixo e o PSOL devem ter a responsabilidade de entender que um confronto, seja político ou de vaidades, entre eles, só irá beneficiar a bolha fascista que encontra-se no poder. Que as esquerdas, a exemplo de Flávio Dino, aprendam de uma vez por todas as lições da história. Por mais prematuro que possa parecer, a campanha para 2022 já começou e as eleições municipais deste ano serão uma prévia não apenas para as possibilidade eleitorais da esquerda, mas especialmente para a sua maturidade e responsabilidade políticas. Todos, sem exceção, terão que ceder em algum ponto, ainda que em uma eventual, porém necessária aliança, tenham que deixar alguns elementos de suas vozes para depois. Sob o risco real de calarem-se para sempre.

 

BRIZOLA 98 ANOS

image-117-600x400

“Todas as crianças deveriam ter direito à escola, mas para aprender devem estar bem nutridas. Sem a preparação do ser humano, não há desenvolvimento. A violência é fruto da falta de educação.” (Leonel Brizola).

Em 22 de janeiro de 1922 nascia em Carazinho, no Rio Grande do Sul, um dos maiores líderes políticos do Brasil, Leonel Brizola. Gostem ou não do Brizola, negar a importância dele na história política brasileira é negar a própria história do Brasil. E, nesse 22 de janeiro, queremos lembrar alguns momentos da trajetória política de Brizola, que enfrentou desde o “Império de Roberto Marinho”, até o exílio e a tentativa de fraude para impedir sua eleição ao governo do Estado do Rio de Janeiro em 1982.

Brizola marcou a vida política brasileira como o primeiro governante a fazer uma reforma agrária no Brasil, quando governador do Rio Grande do Sul. Nacionalista, denunciava o modelo colonial da economia brasileira e defendia uma economia voltada para os interesses do povo e livre das garras do imperialismo. Em 1961 comandou a vitoriosa Campanha da Legalidade, que visava garantir a posse do Presidente João Goulart, após a renúncia de Jânio Quadros, visto que os militares e grupos conservadores pretendiam rasgar a Constituição e impedir a legítima e legal posse de João Goulart.

campanha da legalidade

Foto acima: Brizola lidera a Campanha da Legalidade, em 1961.

Em 1964, quando era deputado federal, foi cassado pelo golpe militar que implantou a ditadura no país e vai para um exílio de 15 anos. Ao retornar do exílio, em 1979, tenta refundar o PTB, partido que havia sido extinto com o golpe militar pelo Ato Institucional número 2. Porém, um conluio entre a Justiça Eleitoral e o governo militar acaba dando a sigla a Ivete Vargas, fazendo o PTB tornar-se uma “filial” do PDS, então partido do governo militar. Com esse golpe, Brizola, o legítimo representante do trabalhismo histórico, lidera a fundação do PDT (Partido Democrático Trabalhista), que para sempre ele iria liderar.

volta do exílio

Foto acima: Brizola retorna do exílio, em 1979.

Em 1982 Brizola é eleito governador do Rio de Janeiro, depois de  derrotar seus adversários nas urnas e a tentativa de fraude, no famigerado “Escândalo da Proconsult”,  um escândalo que teve a participação das Organizações Globo e que Brizola denunciou à imprensa internacional. Como governador do Rio de Janeiro, implantou uma concepção pedagógica materializada nos CIEPs, as escolas de turno integral, concretizando as ideias revolucionárias do grande educador Anísio Teixeira. Os CIEPs, lamentavelvente, seriam destruídos pelo seu sucessor, Moreira Franco. Brizola voltaria a eleger-se governador do Rio de Janeiro em 1990.

jb brizola

Foto acima: contrariando “O Globo” e o esquema fraudulento da Proconsult, o “Jornal do Brasil” noticiava o real resultado da eleição para governador do Rio de Janeiro em 1982.

 

posse brizola 1982

Foto acima: Brizola toma posse como governador do Rio de Janeiro, 1982.

Disputando a eleição presidencial de 1989, chegou em terceiro lugar e, na de 1994, em quinto lugar. O respeito por Leonel Brizola podia ser visto até entre seus maiores adversários. Brizola sempre denunciou o monopólio midiático das Organizações Globo do senhor Roberto Marinho. Em artigos que publicava, sempre criticava esse monopólio e os privilégios da família Marinho. Sabendo separar o político do pessoal Brizola, no entanto, compareceu ao velório de Roberto Marinho, que faleceu em 2003 e foi bem recebido por sua família.

Ciep

Foto acima: CIEP, o grande legado educacional de Brizola.

Leonel Brizola faleceu em 21 de junho de 2004. Uma liderança como Brizola faz muita falta no atual momento político brasileiro. Porém, seu legado e importância histórica jamais sucumbirão.

A NAMORADINHA DERRAPOU!

20200122_1655261186008101.jpg

20200122_1655371064954559.jpg

Regina Duarte, a “namoradinha reacinha do Brasil”, que declarou estar “noiva” do governo Bolsonaro, agora já está em vias de casório com o governo ultra-direitista e, ao que tudo indica, deverá aceitar o cargo para comandar a Secretaria de Cultura no lugar do nazista declarado que a antecedeu. Mas a “namoradinha”, para não fugir à regra dos que orbitam fazem juras de amor a Bolsonaro, não poderia deixar de cometer erros e falar bobagens.

No dia do feriado municipal dos cariocas (20 de janeiro), Regina Duarte encontrou-se com Bolsonaro no Rio de Janeiro e, aproveitando a data, mesmo sem ainda ter assumido o cargo de Secretária de Cultura, parece que ela ainda terá que pesquisar e estudar algumas coisas. Primeiro, o dia dia 20 de janeiro é o dia de São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro. Então, em uma postagem no Twitter, Regina Duarte lembrou a data, mas com uma imagem de… Santo Expedito. Mais tarde, a “namoradinha em vias de casório com o fascismo” fez a devida retificação e substituiu a imagem.

Porém, na segunda postagem, já com a imagem de São Sebastião, Regina Duarte mandou essa: “aniversário da nossa querida cidade do Rio de Janeiro.” Não, Regina Duarte. 20 de janeiro não é o aniversário do Rio de Janeiro. A cidade do Rio de Janeiro foi fundada em 1º de Março de 1565. No dia 20 de janeiro, comemora-se o santo padroeiro da cidade, que é São Sebastião e não Santo Expedito. Mas não vamos exigir tanto da “namoradinha reaça”. Num governo em que o ministro da Educação é analfabeto, o ministro do Meio Ambiente é condenado por crime ambiental, um nazista foi nomeado para a Cultura e plagiou Goebbels, um cara que disse que “a escravidão foi benéfica para os negros” é escolhido para a Fundação Palmares, o ministro das Relações Exteriores diz que não há aquecimento global porque “ele foi na Itália e lá estava muito frio”, o secretário de Agricultura e Pesca diz que “o peixe é inteligente e desvia do óleo”, uma ministra diz que “viu Jesus na goiabeira” e o “Posto Ipiranga” do Bozo acaba de dizer que “os pobres são os culpados pela destruição ambiental”, confundir imagem de santos ou não saber a data em que a cidade do Rio de Janeiro foi fundada, até que não chega a ser tanto. Mas não fique triste, Regina. Força, “namoradinha”! Logo você chegará nos patamar dos teus novos companheiros de “família” após a consumação do tão esperado casamento.

NÃO CALARÃO GLENN!

glenn

“Uma ameaça à liberdade de imprensa.” (Rodrigo Maia, do DEM, Presidente da Câmara dos Deputados, sobre a denúncia do Ministério Público Federal de Brasília contra o jornalista Glenn Greenwald, em 21 de janeiro de 2020).

Jamais poderíamos imaginar que estaríamos junto com Rodrigo Maia, um deputado de direita, de um partido de direita, no meso coro, em pleno ano de 2020, clamando pela liberdade de expressão e contra os abusos continuados de procuradores que atropelam a Constituição, rasgam o artigo 5º e usam de seus poderes para atuar politicamente e perseguir o jornalismo e os jornalistas. Depois da “convicção sem provas”, do procurador-monetizante Deltan Dallagnol e do conluio permeado de crimes processuais entre o então juiz Sérgio Moro e os procuradores justiceiros-lavajatistas, agora chegamos na era (seria mesmo a “nova era”?) de alguém ser denunciado sem sequer ter sido investigado ou indiciado.

O procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, que já havia iniciado uma perseguição contra o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, agora denunciou o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept, a quem o procurador considera “partícipe” dos crimes de invasão de dispositivos de informática e associação criminosa, no caso dos hackers que invadiram os aparelhos de Sérgio Moro e outras autoridades.

O jornalismo investigativo do The Intercept desbaratou e desmascarou a Lava Jato, mostrando ao mundo o viés político-partidário, parcial e recheado de ilegalidades e crimes processuais, em que Sérgio Moro, em diálogos subterrâneos com procuradores, no lugar de julgar com isenção, trabalhou como chefe da acusação. Até veículos conservadores da mídia e apoiadores da Lava Jato criticaram os métodos criminosos de Moro, Dallagnol e outros procuradores no conluio político, perpetrado por Moro e seus procuradores subalternos, que condenou Lula e levou o fascismo ao poder.

Sabe-se que o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira é bolsonarista. Mas isso não é o passaporte, como ele pensa, para perseguir o jornalismo, intimidar jornalistas e tentar criminalizar o trabalho investigativo de um dos jornalistas mais laureados do mundo. Pior do que isso: através de um abuso do poder em que o jornalista Glenn foi considerado “partícipe”, mesmo depois de a Polícia Federal não ver nenhum crime em sua atuação jornalística e, pior, mesmo com o STF já tendo decidido por uma liminar que Glenn não pode ser processado. Ou seja, em sua sanha de perseguição, o procurador Wellington Divino está até afrontando uma determinação da mais alta Corte do Judiciário. Claro que a denúncia não será aceita, mas vivemos um momento em que fascistas e nazistas, seja no Judiciário, no Executivo, no Legislativo ou na PGR, sentem-se empoderados para tentarem consumar as maiores aberrações. Eles tentam. Se colar, colou. Foi o caso de “fechar o STF”. Foi o caso de “reeditar o AI-5”. Foi o caso de colocarem um nazista declarado para dirigir a cultura do país. Foi o caso de colocarem um negro racista na Fundação Palmares. Em todos esses deprimentes episódios, a sociedade reagiu e os nazi-fascistas tiveram que engolir a seco as suas doentias pulsões. O mesmo ocorrerá no caso dessa descabida, ilegal, absurda e indecente denúncia feita contra o jornalista Glenn Greenwald. Nada calará Glenn e a tentativa de Bolsonaro e dos bolsonaristas, seja no Executivo, no Judiciário, no Legislativo ou na PGR, de implantar uma lei da mordaça sempre terá como resposta a repulsa mais veemente.

O episódio da denúncia desse procurador bolsonarista contra o jornalista Glenn ataca toda a democracia, todo o jornalismo e todos os jornalistas. O episódio envergonha o Brasil e já repercutiu negativamente até no The New York Times, que considerou a denúncia uma “perigosa ameaça às leis”. No Brasil, diversas associações de jornalistas repudiaram a infundada e absurda denúncia.

Gostaríamos de ouvir, e ainda não ouvimos, manifestações de jornalistas lavajatistas e defensores de Sérgio Moro e seus métodos, como Merval Pereira, Carlos Alberto Sardenberg e outros, que vêm mantendo um silêncio total em relação à perseguição ao jornalista Glenn. Vocês poderão ser, quem sabe, os próximo alvos. Porém, enquanto isso, todos juntos com Glenn e em defesa da liberdade de expressão, de jornalismo e contra o fascismo! Nada calará o jornalismo e nem o jornalista que mostrou ao mundo a maior podridão da história do Judiciário brasileiro!

 

BOLSONARO, O CRÍTICO CINEMATOGRÁFICO

democracia em vertigem 2

O grande cineasta e crítico cinematográfico Jair Bolsonaro, de renome internacional pelo seu conhecimento sobre a sétima arte já decretou, com a autoridade de sua competência sobre o assunto, que o filme “Democracia em Vertigem”, dirigido por Petra Costa e indicado ao Oscar na categoria de melhor documentário, não é documentário e sim “ficção”. Do alto de sua autoridade em relação ao cinema, Bolsonaro disse que o filme, além de ser “ficção”, é uma “porcaria” e ainda acrescentou, em sua abalizada e bem fundamentada crítica: “para quem gosta do que urubu come, é um bom filme.”

Mas Bolsonaro foi além. O seu conhecimento sobre cinema é tanto que ele nem precisou assistir ao filme para dar o seu respeitado parecer. Ele admitiu não ter visto o filme, mas ainda assim reiterou que o mesmo é uma “ficção, porcaria e bom para quem gosta do que urubu come.” Sua antevisão para expor sua crítica técnica e estética sobre filmes é impressionante! Ou seria “imprecionante”, como escreveu o seu ministro da Educação?

O filme foi indicado ao Oscar para concorrer à categoria de melhor documentário. Pensávamos, em nosso humilde conhecimento, que documentário fosse o oposto de ficção, ou seja, que um filme-documentário fosse a expressão da realidade. A Academia de Hollywood também. Mas depois da abalizada crítica de Bolsonaro, talvez a Academia de Hollywood até mude a categoria de “Democracia em Vertigem” e a coloque como ficção. Ou, quem sabe, já que o renomado crítico cinematográfico Jair Bolsonaro afirmou que o filme é uma “porcaria”, talvez a Academia até exclua o filme de concorrer ao Oscar. Nada como ter um Presidente que é cineasta e crítico cinematográfico. Aliás, as opiniões de Bolsonaro já estão balançando os alicerces da Academia de Hollywood e Bolsonaro poderá entrar para a história como o primeiro crítico cinematográfico que levou a Academia a mudar uma indicação ao Oscar! Aí eu concordo com o Weintraub, e já é imprecionante”, com “C” mesmo!

GOEBBELS, O PATRONO DA ARTE BOLSONARISTA

goebbels 2

“A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada.” (Roberto Alvim, Secretário de Cultura do governo Bolsonaro, em vídeo diulgado em 16 de janeiro de 2020).

“A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada.” (Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler).

Todos sabem que a arte é um dos alvos de ataques do governo Bolsonaro. E o Bolsonaro não limitou-se a acabar com o Ministério da Cultura. Bolsonaro também não se satisfez em agredir e ofender artistas. Agora, ao que tudo indica, o governo Bolsonaro vai querer implantar um viés nazista na arte. O seu secretário nacional de Cultura, Roberto Alvim, que tornou-se conhecido depois de ter ofendido a irreprochável Fernanda Montenegro, deixou claro que é um nazista com todas as letras. Ontem ele postou um vídeo para falar das diretrizes que arte brasileira terá em sua gestão e, pasmem, repetiu quase que totalmente uma fala de Joseph Goebbels, o famigerado ministro da Propaganda de Hitler. As falas de Roberto Alvim e Goebbels são praticamente iguais, tanto no conteúdo como nos termos utilizados. O ministro da propaganda de Hitler dizia que a arte alemã, a partir do nazismo, seria heroica. Já Roberto Alvim, repetindo o ministro nazista, disse que a arte brasileira será heroica e nacional. Goebbels dizia que a arte alemã tinha que ser imperativa e vinculante, ou não será nada. E Roberto Alvim, repetindo a fala de Goebbels,  disse a arte brasileira será profundamente vinculada às aspirações do povo, imperativa, ou não será nada.

O nefasto vídeo ainda traz como música de fundo uma ópera de Wagner. Logo Wagner, que era o músico predileto dos nazistas. Não pode ser coincidência! Tanto a fala como a música remetem à Alemanha de Hitler. A partir de 1 minuto e 42 segundos do vídeo, o secretário de Cultura bolsonarista repete as palavras de Goebbels, informando as diretrizes nazistas que a arte terá na “nova era”. Confiram:

POR QUE MILITARES NO INSS?

santos cruz 2

“Militares no INSS? Não tem cabimento…” (General Santos Cruz, via Twitter, em 16 de janeiro de 2020).

Em 2014 precisei tirar uma Certidão de Tempo de Contribuição (CTC) em uma agência do INSS. Na porta da agência havia uma barraquinha onde se vendia café, água, refrigerantes, biscoitos, etc. Mas na barraquinha também tirava-se cópias do tipo xerox, coisa muito útil, pois quase sempre eram necessárias ao segurado as cópias de alguns documentos. Fiquei impressionado com o conhecimento do rapaz da barraquinha. Ele sabia exatamente quais os documentos necessários para qualquer coisa. E ainda orientava e dava informações aos segurados. O rapaz, mesmo em um emprego informal, parecia um funcionário da recepção do INSS lá de sua barraquinha.

Agora Jair Bolsonaro anuncia que irá convocar militares da reserva para o mutirão que será feito no INSS, com o intuito de atender à demanda daqueles que precisam da seguridade social. A reforma da previdência encomendada pelos banqueiros foi aprovada. Certamente, se alguém for a algum banco privado para comprar algum plano de previdência privada, tudo está funcionando no sistema. Mas o sistema do INSS não foi atualizado para a reforma que o governo tanto queria. Então, depois de décadas, voltaram as filas do INSS e todos os processos estão parados. E, na maior tranquilidade, o governo diz que tudo se normalizará só em setembro. (Sic!)

Então, Bolsonaro decidiu convocar militares da reserva para mais uma “boquinha”. Eles serão chamados para o trabalho de atendimento no INSS e, por esse trabalho, o contracheque deles irá engordar em 30%. Evidentemente, surge a pergunta: já que é para convocar uma equipe complementar, por que militares? E por que não funcionários do INSS já aposentados? Ou ainda, por que não dar uma oportunidade de trabalho, mesmo que temporário, para desempregados ou pessoas que vivem na informalidade, como o tal rapaz da barraquinha que sabia tudo sobre a documentação necessária? Ou ainda, por que não dar uma oportunidade a jovens que completaram 18 anos? Por que tudo tem que ser militarizado?

Não estamos sozinhos em nossa opinião. O general Santos Cruz, um dos mais respeitados de nosso Exército, foi absolutamente contrário à convocação de militares. Disse o general em seu Twitter:

“Militares no INSS? Não tem cabimento. Os funcionários do INSS sabem dar as ideias para a solução. Tem que valorizar a instituição e as soluções irão aparecer. Colocar militares para qq coisa é simplismo, falta de capacidade administrativa. É obrigação valorizar as instituições.”

Essa decisão de Bolsonaro mostra, mais uma vez, a sua falta de compromisso com as instituições. Ele está, subliminarmente, querendo dizer que os militares da reserva, que sequer foram aposentados pelo INSS, têm melhores condições de trabalhar na área do que os servidores civis que por lá passaram. Serão 7 mil militares da reserva engordando os seus contracheques, trabalhando em uma área que desconhecem sob todos os aspectos. E nem uma empatia eles poderão fazer ao se depararem com as pessoas que necessitam da seguridade social. Simplesmente porque eles ficaram de fora da reforma da previdência. O “sacrifício patriota” foi para os de sempre…