GOLPE DE TRUMP FRACASSOU

A tentativa de golpe de Donald Trump fracassou. Ontem ele insuflou seus fanáticos seguidores a irem à ruas e invadir o Capitólio, interrompendo a sessão que certificaria a vitória de Joe Biden. A sessão foi mesmo interrompida pela invasão dos fascistas seguidores de Trump, muitos deles armados, e que chegaram a depredar as instalações do Poder legislativo.

No entanto, após a retirada dos extremistas golpistas do Capitólio, a sessão foi retomada e o placar de 306 votos a 232, favorável a Biden no Colégio Eleitoral, foi confirmado. Apesar de alguns parlamentares trumpistas ainda insistirem em apresentar objeções, todas foram recusadas e, assim, Joe Biden está oficialmente eleito presidente dos Estados Unidos e tomará posse em 20 de janeiro.

VENEZUELA LAMENTA VIOLÊNCIA E TENTATIVA DE GOLPE NOS EUA

O governo de Nicolás Maduro, que sempre é criticado pelos Estados Unidos por ser golpista e antidemocrático, divulgou há pouco uma nota lamentando e demonstrando preocupação com os fatos ocorridos hoje nos Estados Unidos, quando manifestantes pró-Trump, incentivados pelo próprio presidente dos EUA, invadiram o Capitólio, interrompendo a sessão que certificaria o resultado do colégio eleitoral, ratificando a vitória de Joe Biden.

Trump insuflou a sua turba, que invadiu a sede do Poder Legislativo, depredou as dependências do Capitólio e acabou interrompendo a sessão. Uma mulher foi baleada e faleceu.

Desde sempre Trump colocou a democracia em risco nos EUA, não reconheceu o resultado das urnas e vem tentando, de forma golpista, manter-se no poder. Hoje foi a vez da Venezuela lamentar o risco que a democracia corre naquela que seus adversários chamam “a maior democracia do mundo”. As voltas que o mundo dá. Ficamos na expectativa do pronunciamento do “grande defensor da democracia” e cachorrinho de estimação de Trump, Juan Guaidó.

Abaixo, a nota do governo venezuelano condenando a violência e tentativa de golpe nos Estados Unidos:

LEOPOLDINA DE LUTO: FALECEU FERNANDO WILLIAM

Foi com profunda tristeza que recebemos a notícia do falecimento do vereador Fernando William, do PDT, no dia de hoje, vítima da Covid. Médico, Fernando William foi um político que se destacou pela sua luta em favor dos valores democráticos e dos ideais socialistas. Foi um grande militante na luta contra a ditadura militar e, como vereador, foi um dos poucos parlamentares em defesa das causas leopoldinenses.

O vereador Fernando William não se reelegeu nas últimas eleições municipais e, mesmo assim, não perdeu a sua postura democrática, tendo publicado uma elegante nota nas redes sociais após a derrota. Posturas como essa mostram que ele foi um verdadeiro vitorioso. A Leopoldina está de luto. O Rio de Janeiro está de luto. Mas o exemplo de Fernando William servirá de inspiração para as novas lideranças. Um exemplo de dignidade, de luta pela democracia. Um exemplo de tudo o que o Brasil precisa em prol da ética e da dignidade na política. Valeu Fernando William!

QUEBRADEIRA DO BRASIL E O ATO FALHO DO BOZO

“O PT quebrou o Brasil.” (Fala recorrente de coxinhas e bolsonaristas).

“O Brasil está quebrado. Eu não consigo fazer nada.” (Jair Bolsonaro, em 5 de janeiro de 2021).

“O Brasil quebrado” é um discurso que vem desde o golpe de 2016. Quando Temer e seus comparsas deram o golpe, falaram que “O PT quebrou o Brasil”. Temer ia consertar. Agora Bolsonaro, em mais uma confissão de incompetência, diz que “o Brasil está quebrado e nada pode fazer”. Resta saber quem quebrou o Brasil dessa vez. A culpa ainda é do PT?

Em mais uma sessão de besteiras vomitadas para a sua boiada, Bolsonaro, com sua covardia habitual, quer buscar “culpados” para seu desastroso governo e para a sua inépcia diante dos grandes problemas nacionais. Mas parece que dessa vez há mais “culpados” do que o PT. O Congresso, que não o permite realizar o que deseja, e a mídia, que agora já tem a capacidade de “potencializar” um vírus, foram novamente colocados na berlinda por Bolsonaro.

Essa história de “Brasil quebrou” não será bem recebida por investidores estrangeiros. Quem investirá em um país quebrado? Mas será que é mesmo assim? Porque no Brasil de Bolsonaro, na hora de dar nababescos aumentos para os militares, querer isentar as igrejas de seus aliados dos impostos devidos e não cobrar dívidas milionárias de empresários que são seus apoiadores, aí o Brasil não está quebrado.

Bolsonaro sabe o que o espera. Ele cometeu verdadeiros crimes. E nada tem a ver com o fato de ser de extrema-direita. Ele brincou com a pandemia. Ele brincou com a vacina. Coisas que outros líderes de extrema-direita como ele não fizeram. Nos Estados Unidos, o ultradireitista Trump já está vacinando a sua população. Na Hungria, governada pelo fascista Orbán, a vacinação também já está rolando, o mesmo acontecendo na Polônia. Israel, do grande aliado de Bolsonaro Benjamim Netanyahu, já está não apenas vacinando sua população como tomando medidas exemplares de prevenção ao vírus. Ao se atrasar na vacinação, o Brasil também se atrasará na retomada da economia. Some-se a isso o fim do auxílio emergencial, que trará consequências trágicas para milhões de brasileiros. então, chegou a hora de encontrar os “culpados”.

Como Bolsonaro nunca trabalhou (seja como militar, como deputado e agora como Presidente), ele já busca culpados para sua incompetência e fala em “quebradeira”. Ele justificou o alto nível do desemprego colocando a culpa nos trabalhadores, dizendo que grande parte deles “não sabe fazer nada”. Mas no meio de todas as sandices de Bolsonaro no dia de ontem, parece ter escapado um ato falho. No melhor “estilo Zagallo”, Bolsonaro tentou provocar seus opositores, dizendo: “Vão ter que me engolir até o fim de 2022”. Até o fim de 2022? Foi ele quem disse. Nós ouvimos. E Freud explica.

PT VAI DE BALEIA

O PT decidiu ontem, por apertada margem de votos, apoiar Baleia Rossi, do MDB, para a presidência da Câmara dos Deputados. O partido, que alguns fascistas dizem que “acabou”, tem a maior bancada na Câmara: são 52 deputados federais. Mas a decisão do PT foi postergada porque há uma ala do partido que não admitia apoiar um grupo da direita que foi articulador e partícipe do golpe de 2016. Enquanto isso, outro setor do partido entende que o apoio a Baleia Rossi é importante para impor uma derrota a Bolsonaro. O grupo contrário ao apoio do partido a Baleia Rossi entendia que uma candidatura própria seria o melhor caminho. E o placar mostra claramente como o partido, apesar de tomar uma decisão, esteve dividido. Foram 27 votos a favor do apoio a Baleia Rossi contra 23 votos a favor de uma candidatura própria. Dois deputados se abstiveram.

“O PT entende que esta aliança é necessária para derrotar as pretensões de Jair Bolsonaro de controlar a Câmara dos Deputados”, disse a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. “Quem não entendeu isso não compreendeu a importância da unidade no campo popular, da democracia e da soberania”, acrescentou o deputado Paulo Pimenta.

O apoio do PT e demais partidos de esquerda a Baleia Rossi, no entanto, só ocorreu depois de Rossi ter assinado uma carta garantindo os seguintes compromissos: defesa da Constituição, proteção à democracia, independência do Legislativo, respeito à soberania do país e garantia do direito à vida.

A eleição para a presidência da Câmara mostra como é difícil uma unidade das esquerdas e, principalmente, uma “frente” contra Bolsonaro. Trata-se de um pequeno universo eleitoral, com apenas 513 participantes, onde os partidos de esquerda e centro-esquerda jamais se entenderam. O PSB e o PDT, por exemplo possuem deputados que votarão em Baleia Rossi e outros em Arthur Lira, do PP, o candidato de Bolsonaro. Já o PSOL defende uma candidatura única das esquerdas. Como o voto é secreto, já há que diga que as traições e a compra de votos em troca de cargos feita por Bolsonaro é que poderá decidir a eleição. Aguardemos fevereiro.

ENTREVISTA COM O NOVO PRESIDENTE DO OLARIA

Imagem acima: o novo presidente do Olaria, Lenivaldo Gomes da Silva, que ficará no cargo até janeiro de 2022.

Lenivaldo Gomes da Silva é o novo presidente do Olaria Atlético Clube. Ele foi efetivado no cargo na última reunião do Conselho Deliberativo, realizada em 17 de dezembro passado. Advogado, Lenivaldo é sócio proprietário do Olaria desde 1995. Foi vice-presidente jurídico por vários anos. Em 2018 tornou-se benemérito do clube e, desde janeiro de 2019, era o presidente da Assembleia Geral, cargo que deixou para ocupar a Presidência Administrativa, que ficou vaga com o falecimento do presidente Pintinho. Lenivaldo terá a missão de completar o mandato iniciado por Pintinho, que termina em janeiro de 2022.

Hoje estivemos na Rua Bariri conversando com o presidente Lenivaldo sobre seus projetos para esse ano de gestão. Abaixo, a entrevista com o novo presidente do Olaria Atlético Clube:

Presidente, com apenas um ano de mandato pela frente e em plena pandemia, sabemos que muita coisa não poderá ser feita. Quais as suas prioridades para esse ano em que ficará à frente do Olaria?

Temos como prioridade colocar a folha de pagamento em dia, adequar a parte financeira e trazer de volta os associados, além de promover eventos para as famílias.

O Conselho Deliberativo aprovou uma proposta de anistia em decorrência da pandemia. Como funcionará essa anistia?

A anistia começou a vigorar no dia 2 de janeiro e irá se estender até o décimo dia após o início da vacinação contra a Covid. O associado que deixou de pagar a partir de março de 2020 pagará apenas o valor de uma mensalidade para ficar em dia. Já aqueles que deixaram de pagar antes de março de 2020 pagarão o valor de duas mensalidades.

Os torcedores olarienses estão preocupados com os rumos do futebol profissional. O que o senhor pretende fazer em relação ao futebol profissional?

Estamos tentando buscar uma parceria com empresários do ramo do futebol. Mas queremos uma parceria concreta, que seja boa para o Olaria e que permita que nosso clube inicie a sua retomada para a volta de seu futebol à primeira divisão. Mas também queremos acrescentar que iremos valorizar as categorias de base.

Já tem a sua equipe de trabalho formada?

Sim, todas as vice-presidências estão preenchidas e já foram anunciadas ao Conselho Deliberativo. Alguns nomes que faziam parte da gestão Pintinho foram mantidos. Mas além dos vice-presidentes, estamos também contando com alguns colaboradores em nossa gestão e, dentre esses colaboradores, temos grandes beneméritos e beneméritos.

No mês de dezembro teremos eleição para a escolha do presidente do Olaria. O senhor será candidato?

Nunca fui político dentro do Olaria, nunca fiz política no clube. Não pretendo ser candidato. Fui alçado à Presidência em razão do falecimento do nosso amigo Pintinho. Não serei candidato. Pretendo apenas poder entregar um Olaria melhor para quem vier a me suceder.

Presidente, para terminar, mande uma mensagem final para o associado e torcedor olariense.

Pedimos aos associados um voto de confiança à nossa administração. Contem com nosso trabalho em prol do Olaria. E é com esse trabalho que pretendemos trazer vocês associados de volta ao nosso clube.

REALE E O “GOLPE DE 2022”

Miguel Reale Júnior foi um dos articuladores e signatários do golpe de 2016, que afastou Dilma do poder e abriu caminho para a ascensão da extrema-direita. Juntamente com as Organizações Globo, Estadão, Veja, dentre outras mídias poderosas, o golpe contra a então Presidente Dilma visava favorecer as forças conservadoras, especialmente do PSDB. O próprio Miguel Reale Júnior tem um DNA tucano. Dilma foi golpeada e, junto com ela, a democracia foi agonizando, até a culminância da chegada de Bolsonaro ao poder.

Bolsonaro chegou ao poder pelo voto, é sabido. Porém, no segundo turno de 2018, haviam duas claras e inequívocas alternativas: a de um projeto nitidamente autoritário e fascista de um lado. E a de um projeto democrático do outro. Foi uma oportunidade para os brasileiros refletirem sobre certos “ódios infundados”. Mas o tal “ódio” falou mais alto.

Bolsonaro nunca enganou a ninguém. Todos já o conheciam como defensor da ditadura, apologista de torturadores, racista e inimigo das liberdades democráticas. E os mesmos que defenderam o golpe de 2016 cravaram o “17” nas urnas, “contra a corrupção”. O restante da história, os últimos dois anos já contaram.

Ontem vários veículos de imprensa publicaram a preocupação de Miguel Reale Júnior com a possibilidade de Bolsonaro tentar dar um golpe em 2022. O site direitista, lavajatista e morista O Antagonista publicou uma matéria intitulada “O Golpe de 2022″. Nela, o site direitista fala que, segundo Miguel Reale Júnior, signatário do golpe contra Dilma, Bolsonaro estaria preparando o terreno para um golpe em caso de derrota em 2022. Disse Miguel Reale Júnior:

“O Presidente coloca a imprensa como inimiga dos soldados… Qual a razão de prestigiar cerimônias de soldados da Polícia Militar pregando contra a imprensa livre? A grave menção de que ‘se não tiver voto impresso, esqueça-se a eleição de 2022’, somada à corte que Bolsonaro faz às Polícias Militares, instigadas contra a imprensa livre, forma um quadro preocupante de possível derrota do Presidente, que terá preparado o terreno para uma ‘lei marcial’, tal qual a pensada por Trump, dando fim à democracia, jamais cultuada. E daí?”

Pois é. O doutor Miguel Reale Júnior está preocupado com a possibilidade de golpe de 2022. Mas ele não pensou nisso quando se deixou usar pelos golpistas de 2016. E nem quando foi votar no segundo turno de 2018. Se houver mesmo um outro golpe no Brasil em 2022, como vaticina o doutor Reale, que fique claro: esse golpe teve início em 2016, com o próprio Reale tendo sujado suas mãos, levando o país ao maior retrocesso de sua história. Com medinho de golpe? Embala que o Messias é teu, doutor!

VÍDEO: BARRACO NA GLOBONEWS

No primeiro dia do ano de 2021, tudo leva a crer que Jair Bolsonaro já se faz representar na bancada de comentaristas da Globonews. A emissora da família Marinho, que durante todo ano de 2020 defendeu, através de seus jornalistas, o isolamento social, agora tem um representante do negacionismo bolsonarista. Os jornalistas Demétrio Magnoli e Gerson Camarotti se digladiaram no debate sobre o isolamento social. O assunto era o grande número de aglomerações registrados nas comemorações do final do ano. Enquanto Camarotti criticava as aglomerações, Magnoli perguntou ao colega:

“Eu quero perguntar para o Camarotti: você diria que ele é execrável depois de passar um ano inteiro se aglomerando nos trens para trabalhar em setores essenciais porque ele agora se aglomerou na Praia Grande?”

E Camarotti respondeu:

“Você que está colocando essa palavra, Demétrio. Você que tem que responder a essa pergunta. Você tem a recomendação da ciência. E a ciência tem que ser para todos. Lógico que tem que ser para todos, Demétrio. Você é que tem que responder. Bota a palavra na tua boca e responda como você achar melhor. Agora, a ciência tem que ser seguida. Não dá para ter exceção. É compreensível a situação social do país, você sabe disso, eu sei disso, conheço bem essa realidade, é preciso levar isso em consideração, mas uma coisa é trabalho e sobrevivência, outra coisa é festividade. É preciso ter bom senso também, Demétrio.”

Então, a mediadora tentou acabar com o barraco, levando o debate para a questão da vacinação. Mas o barraco não acabou. Assistam ao vídeo:

EDUARDO PAES QUER AUMENTAR CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Eduardo Paes tomou posse como prefeito do Rio de Janeiro e, em seu primeiro dia de governo, já descumpriu uma das promessas que havia feito aos servidores municipais durante a campanha: o prefeito já anunciou que uma das medidas para tirar o município do caos financeiro é aumentar a alíquota da contribuição previdenciária de 11% para 14%, para ativos e inativos. Em sua campanha, no entanto, Eduardo Paes não aventava essa hipótese.

Durante a campanha, Eduardo Paes chegou a publicar uma carta onde firmava outros compromissos com os servidores, como o pagamento dos salários no segundo dia útil, reajustes que compensem a inflação e antecipação, em julho, da primeira parcela do décimo-terceiro salário. A carta-compromisso, no entanto, já está fora do ar na internet.

O aumento da alíquota da contribuição previdenciária de 11% para 14%, além de descumprir um compromisso de campanha, mostra a velha prática de jogar em cima dos servidores o ônus das contas públicas. Mas, além de Eduardo Paes, os vereadores também haviam se comprometido com os servidores. Uma enquete publicada no dia 30 de novembro (um dia após o segundo turno das eleições) e publicada no jornal O Globo, em sua página 31, mostrava que 26 dos 51 vereadores eleitos eram contra o aumento da alíquota previdenciária de 11% para 14%. Como o aumento depende de aprovação da Câmara então, pela enquete, não haveria número suficiente para sua aprovação. Lembremos os nomes dos vereadores que se posicionaram CONTRA o aumento da contribuição previdenciária:

César Maia (DEM), Verônica Costa (DEM), Laura Carneiro (DEM), Tarcísio Motta (PSOL), Chico Alencar (PSOL), Mônica Benício (PSOL), Paulo Pinheiro (PSOL), Thais Ferreira (PSOL), William Siri (PSOL), Dr. Marcos Paulo (PSOL), Inaldo Silva (Republicanos), Waldir Brazão (Avante), Tainá de Paula (PT), Luciana Novaes (PT), Reimont (PT), Gabriel Monteiro (PSD), Teresa Bergher (Cidadania), Vera LIns (PP), Marcelo Arar (PTB), Márcio Santos (PTB), Rosa Fernandes (PSC), Dr.João Ricardo (PSC), Vitor Hugo (MDB), Wellington Dias (PDT), Dr. Carlos Eduardo (Podemos) e Rogério Amorim (PSL).

Apenas dois vereadores afirmaram ser a favor do aumento da alíquota para os servidores: Ulisses Marins (Republicanos) e Pedro Duarte (Novo). Os demais vereadores não responderam à enquete. De qualquer modo, pela enquete publicada em 30 de novembro de 2020, o aumento da alíquota não teria número para ser aprovado pela Câmara Municipal. Cabe agora cobrar dos vereadores o cumprimento do que afirmaram na enquete publicada em 30 de novembro. O prefeito já demonstrou que não cumprirá uma de suas promessas com os servidores. Cabe, então, a cobrança aos vereadores.

FELIZ 2021!

Para encerrar o ano de 2020 (será que um dia ele acaba?) estamos republicando o “Poema de Ano Novo”, que escrevemos em 2017. Apesar de escrito em 2017, é válido para qualquer época. Feliz 2021!

POEMA DE ANO NOVO

Tempo mágico de uma translação
Que finda em meio a nuvens carregadas
Abrindo-me o futuro de antemão
Na espera de não ter portas fechadas!

Qual universo em marcha permanente
A nos trazer o novo a cada dia
Na chama que aproxima o que é presente
De um futuro coberto de magia.

Bem vindo seja um ano que começa
E o que se vai, parece tão depressa…
Que logo um novo ciclo se inicia

A nos jogar na vida em desafios
E a não temer os muros mais sombrios
Na busca permanente da alegria!