VÍDEO: PRF AJUDA BANDIDOS BOLSONARISTAS EM INVASÃO DE AEROPORTO

Imagem acima: policial rodoviário federal corta a cerca que dá acesso ao aeroporto para invasão dos bandidos bolsonaristas.

A Polícia Rodoviária Federal foi flagrada em um vídeo, onde um agente ajuda os bolsonaristas nas manifestações terroristas contra o resultado das urnas. No aeroporto de Guarulhos, um policial rodoviário corta o alambrado para a invasão dos bandidos. Diversos voos já foram cancelados por conta da balbúrdia dos fascistas, apoiados pela PRF. O diretor da Polícia Federal e seus agentes criminosos devem ser imediatamente presos! Assistam ao vídeo:

O CRIME DO “CAPITÓLIO DOS CAMINHONEIROS”. CADÊ A PRF?

Imaginemos que Lula tivesse sido derrotado no domingo e, logo em seguida, na madrugada de domingo para segunda-feira, caminhoneiros petistas bloqueassem estradas em vários pontos do país em protesto contra o resultado das urnas. O que teria acontecido? Como a Polícia Rodoviária Federal agiria? A resposta é simples: os manifestantes seriam tratados como bandidos, levariam tiro, porrada, bomba e a manifestação logo acabaria na base da força, em nome da ordem e da liberdade de ir e vir.

O que os bandidos bolsonaristas estão fazendo ao bloquear estradas em vários pontos do país, além de crime contra a ordem democrática, está trazendo grande prejuízo para a economia, para as pessoas e está desrespeitando um dos mais basilares direitos constitucionais: o direito de ir e vir. Pior: a Polícia Rodoviária Federal, aquela mesma que matou um inocente por asfixia em maio deste ano, está assistindo de camarote ao estrago que os bandidos bolsonaristas estão fazendo nas estradas do país. E já falou até em “negociação”. Não se negocia resultado de eleição. Não se negocia atentado contra a ordem democrática. Não se negocia com bandidos fascistas que querem, em seu delírio, fazer um “Capitólio” nas estradas. A vitória de Lula já foi proclamada pelo TSE e reconhecida nacionalmente e internacionalmente.

A atuação da Polícia Rodoviária Federal tem sido vergonhosa, e até criminosa, nessa eleição. No domingo, em uma “operação” atípica, prejudicou o deslocamento de eleitores para exercerem o direito ao voto, especialmente no Nordeste. Repetindo: especialmente no Nordeste. Claro que não foi coincidência! Agora, em uma leniência criminosa, a PRF não faz absolutamente nada e assiste confortavelmente ao terrorismo contra a democracia. E até a deputada fascista Carla Zambelli já escreveu nas redes sociais: “Parabéns, caminhoneiros. Permaneçam, não esmoreçam”, em uma postagem criminosa com incentivo aos terroristas.

O aparelhamento da PRF e sua leniência com esses bandidos vem sendo determinante para que os criminosos bolsonaristas continuem com os bloqueios. Mas o silêncio do derrotado Jair Bolsonaro também estimula o crime desses meliantes. Tivesse Bolsonaro tido a postura democrática e republicana, que se repete em todas as eleições, e se pronunciado logo após a proclamação do resultado, reconhecendo a derrota e parabenizando o vencedor (como fez Haddad em 2018 quando Bolsonaro venceu), com certeza esse terrorismo não estaria acontecendo. É urgente que o Judiciário tome medidas drásticas contra o diretor da PRF, que está prevaricando e que já mostrou que, desde as “operações” de domingo, não está a serviço da democracia e sim do golpe que, para desespero tanto do fascista que encontra-se em isolamento social como daqueles que estão tocando o terror nas estradas por não aceitarem a vontade do povo, não acontecerá.

VAMOS VOTAR 13, CONTRA O ÓDIO

Somos milhões nas ruas. Somos o povo brasileiro. E com muito amor, contra o ódio. (Lula, em seu último ato de campanha, em São Paulo).

Hoje é dia de votar 13 contra o ódio que infesta o Brasil desde 2018, quando o fascismo miliciano chegou ao poder. Vamos dizer sim à Constituição Cidadã de 1988 e não ao AI-5; vamos dizer sim aos livros e não às armas; vamos dizer sim à inclusão social e não à discriminação; vamos dizer sim à ciência e não ao obscurantismo; vamos dizer sim ao Estado laico e à liberdade de todas as religiões e não ao fundamentalismo; vamos dizer sim ao educador Paulo Freire e não ao torturador Ustra. Vamos dizer sim à vacina e não à cloroquina. E isso significa votar Lula, votar 13.

A derrota do fascista é iminente e seu desespero foi expresso durante a semana. Desde a patuscada de Roberto Jefferson até a tentativa de tumultuar o pleito, com a armação do suposto boicote das inserções de propaganda de Bolsonaro nas rádios, tudo foi feito para tentar melar a eleição. Os canalhas, no auge do desespero, chegaram a falar em adiar o pleito e o líder fascista chegou a convocar uma reunião de “emergência”. O último debate, na sexta-feira, expressou ainda mais o despreparo, a desqualificação, a falta de compostura, o ódio e o desespero do defensor das milícias. Certamente ele irá latir caso a vitória de Lula se confirme, mas o tão sonhado golpe dele e de alguns poucos generais (alguns de pijama) não irá acontecer.

A partir da divulgação da vitória de Lula logo mais, o Brasil começará uma fase de retomada da civilização, do respeito aos poderes, à democracia, ao Estado Democrático de Direito e às instituições. Em caso de derrota do fascismo, que Bolsonaro e seus asseclas não atrapalhem a transição. Até porque as armas de Bolsonaro, de sua família, de seus milicianos, do Roberto Jefferson, da Carla Zambelli e de tantos outros, não serão capazes de fomentar a vitória do ódio. Porque o amor vencerá. Fora Bolsonaro! É Lula 13!

20 MOTIVOS PARA VOTAR 13 NO DOMINGO

Estamos a quatro dias daquela que já pode ser considerada a mais importante eleição da história de nosso país. A grande frente formada em torno de Lula, que vai desde Guilherme Boulos até Henrique Meirelles, mostra que votar 13 no próximo domingo não é chancelar a esquerda ou necessariamente ser petista. É defender a democracia, as instituições, o Estado Democrático de Direito. É defender a civilização. Estamos em uma bifurcação onde não há espaço para a pseudoneutralidade dos chamados “isentões”. E o que significa votar 13 no próximo domingo? Aí vão vinte motivos:

Votar 13 é dizer SIM aos livros e NÃO às armas;

Votar 13 é dizer SIM ao Patrono da Educação Brasileira Paulo Freire e NÃO ao torturador Ustra;

Votar 13 é dizer SIM à ciência e NÃO ao obscurantismo;

Votar 13 é dizer SIM à Constituição Cidadã de 1988 e NÃO ao AI-5;

Votar 13 é dizer SIM ao Estado laico e à liberdade para todas as religiões e NÃO ao fundamentalismo;

Votar 13 é dizer SIM a Chico Mendes e NÃO a Ricardo Salles;

Votar 13 é dizer SIM ao respeito às mulheres e NÃO à misoginia;

Votar 13 é dizer SIM a Dom Helder Câmara e NÃO a Silas Malafaia;

Votar 13 é dizer SIM ao Fundeb e à educação pública e NÃO à privatização das escolas;

Votar 13 é dizer SIM ao direito do filho do porteiro entrar na universidade e ao direito da empregada doméstica ir para a Disney e NÃO ao preconceito elitista do banqueiro Paulo Guedes;

Votar 13 é dizer SIM à inclusão e ao respeito e NÃO à discriminação, ao racismo e à homofobia;

Votar 13 é dizer SIM à doutora Margareth Dalcomo e NÃO ao Pazuello;

Votar 13 é dizer SIM ao SUS, à Fiocruz e ao Instituto Butantan e NÃO à Prevent Senior;

Votar 13 é dizer SIM à vacina e NÃO à cloroquina;

Votar 13 é dizer SIM às escolas e universidades e NÃO aos clubes de tiro;

Votar 13 é dizer SIM à vontade popular e NÃO ao golpismo;

Votar 13 é dizer SIM a Sobral Pinto e NÃO a Sérgio Moro;

Votar 13 é dizer SIM ao aumento real do salário-mínimo e da aposentadoria e NÃO ao arrocho salarial de Paulo Guedes;

Votar 13 é dizer SIM ao protagonismo do Brasil nas relações internacionais e NÃO ao nosso país virar pária e motivo de chacota mundo afora;

Votar 13 é dizer SIM à democracia e NÃO ao fascismo.

AUMENTA A VANTAGEM DE LULA

Pesquisa Atlas Intel divulgada hoje mostra um crescimento de Lula sobre Bolsonaro, faltando menos de uma semana para o segundo turno. Segundo o levantamento, Lula tem 53% dos votos válidos, contra 47% do fascista. No levantamento anterior, Lula tinha 52,4%, enquanto o fascista tinha 47,6%. Ou seja, enquanto Lula subiu 1,6 pontos percentuais, Bolsonaro caiu 0,6 pontos.

a pesquisa foi realizada entre 18 e 22 de outubro, com margem de erro de 1 ponto percentual para mais ou para menos.

TERRORISMO DE JEFFERSON FOI UM TIRO NO PÉ DO FASCISTA

Imagem acima: o bandido bolsonarista Roberto Jefferson e o carro da Polícia Federal alvejado pelos tiros de fuzil disparados pelo bandido.

O bandido bolsonarista Roberto Jefferson finalmente foi preso ontem pela Polícia Federal após atacar os agentes que cumpriam o mandado do ministro Alexandre de Moraes de suspender a prisão domiciliar do meliante e levá-lo de volta à cadeia. Os policiais federais foram recebidos por Jefferson com tiros de fuzil e granada. Há muitos questionamentos e dúvidas em relação ao ato terrorista do bandido de extrema-direita, como, por exemplo: Jefferson, cumprindo prisão domiciliar, poderia ter fuzil em sua casa? E a granada lançada contra os policiais, não é um armamento exclusivo das Forças Armadas? Ele podia ter acesso a redes sociais? Quem foi o responsável pela fiscalização das medidas restritivas? A operação da Polícia Federal teria sido vazada e Jefferson já esperava pelos policiais? E se fosse em uma favela, a polícia teria matado o atirador que a recebeu a tiros de fuzil e granada? E ainda: não há precedente de qualquer ministro da Justiça ter sido convocado para negociar ou acompanhar a prisão de ninguém. Nem mesmo no caso da prisão de autoridades com mandato, como governadores, prefeitos e parlamentares, ocorridas recentemente, não há o precedente do comparecimento do ministro da Justiça. E Roberto Jefferson é um “cidadão comum”, ou melhor um bandido sem qualquer mandato ou imunidade. Por que a presença do ministro da Justiça? Será que Jefferson, em seu putrefado ocaso como político, tentou se fazer de mártir para ser erguido como um trunfo dos fascistas às vésperas do segundo turno? E mais: teria sido o ato de Jefferson a tentativa do início de um tumulto para conturbar a eleição no segundo turno? São alguns questionamentos feitos desde ontem. Porém, uma coisa é certa: o ato criminoso e terrorista de Roberto Jefferson foi um tiro no pé na própria campanha de Bolsonaro. Desde ontem bolsonaristas estão nocauteados com o ataque feito por Jefferson a policiais federais no cumprimento de suas missões. Até a nota de Arthur Lira, o presidente da Câmara aliadíssimo de Bolsonaro, foi bastante enfática e diz que “não admitirá retrocesso para a democracia”. Lira ainda chamou o ato do delinquente bolsonarista de “pico do absurdo”. Não há dúvida de que o estrago foi grande para a campanha de Bolsonaro, tanto que ele, desesperadamente, já tratou de se desvincular de Roberto Jefferson e, muito a contragosto, foi obrigado a chamá-lo de “bandido”. Isso, para que o estrago eleitoral não seja maior.

Roberto Jefferson, assim como Daniel Silveira, são tentáculos do bolsonarismo. Agressores da democracia, das instituições, dos poderes constituídos, do Estado democrático de direito e fomentadores da violência. Sempre foram a favor de um golpe para implantar uma ditatura bolsonarista. Mas, além de suas posições fascistas, eles também pregam o armamentismo tão cultuado por Bolsonaro. Lembrem-se que Bolsonaro estimulou a população a pegar em armas para descumprir o isolamento social durante a pandemia, em nome da “liberdade”; lembrem-se que Bolsonaro afirmou que “um povo armado jamais será escravizado”; lembrem-se que inúmeros bolsonaristas passaram a ter fetiche por armas incentivados pelo próprio líder fascista e um deles chegou até a lamber o cano de uma arma, em uma das cenas que mais representa o que é o esgoto político do bolsonarismo. O incentivo de Bolsonaro ao armamentismo sempre teve uma finalidade: criar milícias que lhes deem respaldo no caso de um golpe, que sempre esteve em seus planos. O ato criminoso e terrorista de Roberto Jefferson teve como justificativa o próprio discurso bolsonarista. Ao justificar o ataque aos policiais, Jefferson invocou a “liberdade” e também apelou para a religiosidade. Então, atiremos! Tudo dentro do script bolsonarista. Nesse episódio, o próprio Bolsonaro não deixa de colher o que sempre semeou com seu discurso e prática milicianas, pois o que ele sempre fomentou agora volta-se contra ele e seus interesses eleitorais.

Apoiadores foram convocados e até o falso padre foi para a casa do Jefferson. O golpe ainda não foi dessa vez, mas a meia dúzia de fascistas que para lá foram não perderam a viagem, pois agrediram um jornalista que estava a serviço e que teve que ser hospitalizado. O golpe poderia ter começado ontem, com uma reação em cadeia e um tumulto para transtornar a eleição que está próxima e, muito provavelmente, com a vitória de Lula. Mas foi um tiro no pé do líder fascista. Ainda assim, o alerta deve ficar mais do que ligado até o dia 30, pois um “novo Roberto Jefferson” ou um “novo Adélio” poderá surgir a qualquer momento.

VÍDEO: JEFFERSON CHAMA CARMEN LÚCIA DE “PROSTITUTA ARROMBADA”

O bandido bolsonarista Roberto Jefferson, que encontra-se em prisão domiciliar e com tornozeleira, cometeu mais um assaque contra o Poder Judiciário. Ele já é, há muito tempo, a “língua de aluguel” do fascista, junto com Daniel Silveira. Agora, em uma fala asquerosa e repugnante, tal como ele e quem ele representa, chamou a ministra do STF, Carmen Lúcia, de “prostituta” e “arrombada”. E, prosseguindo em seu vômito verborrágico-fascista, disse que a ministra “estaria dando o rabinho pela primeira vez”.

Mais do que criminosa, a fala do bandido aliado de Bolsonaro representa bem os bolsonaristas: agride a democracia, os poderes constituídos e a mulher. E mais: Roberto Jefferson, proibido de usar as redes sociais em razão dos crimes que já cometeu, usa o perfil da própria filha para disseminar sua fala nauseante. Esse lixo inumano deve, imediatamente, voltar para a cadeia de onde nunca deveria ter saído. Certamente Bolsonaro lhe daria indulto, como já deu à sua outra “língua de aluguel” chamada Daniel Silveira. Que o Judiciário se posicione e decrete a prisão desse bandido porque, independentemente da orientação política de qualquer magistrado, o ataque repugnante feito à ministra atinge todo Poder Judiciário. De quebra, o energúmeno ainda defendeu a rádio fascista-bolsonarista Jovem Pan e ofendeu o TSE, que chamou de “latrina”.

Assistam e ouçam o que o delinquente fascista proferiu, e tentem depois desembrulhar o estômago:

PROFESSORES DO MENDES DE MORAES SE MANIFESTAM

Os professores do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes estão, desde ontem, sendo atacados e ameaçados, de um modo geral, em razão de uma denúncia envolvendo um suposto assédio de um docente a um aluno da terceira série. Os docentes do Mendes de Moraes repelem qualquer tipo de assédio ou qualquer ato de desrespeito a qualquer aluno e querem, como toda a comunidade escolar, uma apuração rigorosa da denúncia. O caso já está sendo apurado pela 37ª DP, na Ilha do Governador. Porém, antes mesmo da conclusão do inquérito, as redes sociais já estão infestadas de ataques, ameaças, xingamentos e desqualificação dos docentes do estabelecimento de um modo geral. A página do Alerta Ilha, no Facebook, que noticiou o episódio sem as devidas apurações prévias, está infestada de postagens e comentários carregados de discursos de ódio, acusações infundadas e até ameaças aos professores. Na referida página estão linchando até a imagem do colégio, referência na Ilha do Governador há 73 anos. Até o momento, são mais de 750 comentários e 233 compartilhamentos, onde predomina um discurso de ódio, fascista e onde professores como um todo e a própria direção do colégio estão sendo emparedados. O grande número de compartilhamentos da postagem sobre o episódio mostra o quão longe podem ir as ameaças e fomentação de ódio e ataques aos docentes.

Em resposta, os docentes do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes estão publicando uma nota em que afirmam acreditar no trabalho da Polícia e se defendendo dos ataques virulentos que vêm sofrendo desde o dia de ontem, especialmente através da página do Alerta Ilha no Facebook.

Abaixo, a nota dos docentes do colégio, que até a noite de ontem já contava com 55 assinaturas:

“O corpo docente do CEPMM não pode ser alvo de ameaças e desqualificação em razão de um episódio, ainda em fase de inquérito e onde, supostamente, um professor poderia estar envolvido. Acreditamos no trabalho de investigação da Polícia Civil e, se for o caso, acreditamos no Poder Judiciário. Mas pelo que já está exposto na mídia, em cartazes pelo colégio e em redes sociais raivosas, parece que TODOS os professores do CEPMM já foram julgados, condenados e estão em fase de execução”.

QUEREM RESSUSCITAR O ADÉLIO!

A menos de duas semanas da votação que provavelmente confirmará a vitória de Lula os fascistas, em desespero para tentarem virar o placar, já estão se articulando para ressuscitar o Adélio. Como não existiu um juiz parcial para prender Lula e com um índice recorde de rejeição, Bolsonaro e sua gangue fascista não possuem outra alternativa que não seja criar um “fato novo” para tentar mudar o quadro eleitoral. Já dizem que ontem, em Paraisópolis, o bolsonarista Tarcísio de Freitas, candidato a governador de SP, teria sofrido um “atentado” quando fazia campanha. Tudo desmentido pela polícia, mas aproveitado de forma criminosa pelas milícias digitais bolsonaristas, que espalharam pelas redes o suposto “atentado”, quando na verdade um bandido foi baleado pela polícia em local distante de onde se encontrava o candidato bolsonarista.

Agora, quando o segundo turno se aproxima, e com o aparelhamento da Polícia Federal, já falam em um “novo depoimento” do Adélio, para que o sujeito afirme que a “facada” de 2018, crucial para a vitória do fascista, tenha tido como mandante o “crime organizado do PT”. Esse absurdo seria o último trunfo de Bolsonaro. Ou melhor, o penúltimo. O último seria dizer, ao ser declarada oficialmente a sua derrota, que houve “fraude”.

A ressurreição do Adélio não é nenhuma surpresa. Na verdade, ele estaria sendo “guardado” para um caso de emergência. E este é o caso. Mesmo com mentiras absurdas e que tocam sensivelmente em redutos ditos conservadores e fundamentalistas, como banheiro unissex nas escolas, fechamento de igrejas, ideologia de gênero, dentre outros disparates, Bolsonaro não consegue virar o placar. E sua campanha sabe disso, pois eles encomendam pesquisas e acreditam sim nelas, só que não as divulgam.

A notícia da ressurreição do Adélio para tentar mudar o quadro eleitoral foi divulgada em reportagem do jornalista Marcelo Rocha, da Folha de São Paulo. O trecho principal da reportagem é:

“A Polícia Federal quer interrogar novamente Adélio Bispo de Oliveira na apuração que busca identificar eventuais mandantes ou financiadores do atentado contra Jair Bolsonaro (PL) em Juiz de Fora (MG), durante as eleições de 2018. Antes de levar adiante a diligência, porém, o delegado Martín Bottaro Purper, encarregado atualmente do inquérito, pediu à Justiça Federal em Mato Grosso do Sul acesso ao laudo de avaliação do estado de saúde mental de Adélio, produzido recentemente por dois peritos”.

Resta saber se a Polícia Federal, que já havia concluído há muito tempo que Adélio agiu sozinho na chamada “facada santa”, vai sucumbir ao aparelhamento do fascista. Melhor seria a Polícia Federal tentar saber o que Adélio fazia, dois meses antes da “facada”, no clube de tiro, caríssimo, frequentado pelo Carluxo em Santa Catarina.

VÍDEO: A FICHA CAIU PARA O MERVAL!

O ex-juiz parcial Sérgio Moro apareceu no debate da Band como assessor de Bolsonaro e, ao final, ainda posou como papagaio-de-pirata do genocida. Depois de ter sido usado e cuspido do esgoto bolsonarista, Moro voltou ao lodaçal do qual, na verdade, nunca saiu. Foi o suficiente para que o jornalista global e, até então seriomorista Merval Pereira finalmente se desencantasse com Moro. Parece, finalmente, que a ficha caiu para o Merval e, certamente, para toda a Globo, que finalmente concluíram que Moro jamais foi uma “terceira via”. Ontem ficou mais do que provado que Moro é a via do fascismo bolsonarista. Em seu comentário na Globonews após o debate, Merval Pereira finalmente admitiu que o alvo do ex-juiz parcial sempre foi o Lula. Demorou, mas finalmente mais um percebeu que Moro sempre foi político-partidário quando vestia a toga que jamais honrou. Assistam ao vídeo: