PESQUISA DATAFOLHA: LULA 56% X BOZO 31%

Pesquisa do Datafolha divulgada ontem, 16 de setembro, mostra que Lula vence Bolsonaro com larga vantagem nas intenções de voto para Presidente da República. A pesquisa indica que, em um eventual segundo turno envolvendo Lula e Bolsonaro, Lula ganha disparado: 56% a 31%. São 25 pontos percentuais de diferença, uma autêntica goleada. Em um cenário com João Dória sendo candidato, o resultado é o seguinte:

  • Lula (PT): 44% (46% na pesquisa anterior)
  • Jair Bolsonaro (sem partido): 26% (25% na pesquisa anterior)
  • Ciro Gomes (PDT): 9% (8% na pesquisa anterior)
  • João Doria (PSDB): 4% (5% na pesquisa anterior)
  • Luiz Henrique Mandetta (DEM): 3% (4% na pesquisa anterior)
  • Em branco/nulo/nenhum: 11% (10% na pesquisa anterior)
  • Não sabe: 2% (2% na pesquisa anterior)

Já em outro cenário, com o candidato do PSDB sendo Eduardo Leite, o resultado é:

  • Lula (PT): 42 (46% na pesquisa anterior)
  • Jair Bolsonaro (sem partido): 25% (25% na pesquisa anterior)
  • Ciro Gomes (PDT): 12% (9% na pesquisa anterior)
  • Luiz Henrique Mandetta (DEM): 2% (5% na pesquisa anterior)
  • Eduardo Leite (PSDB): 4% (3% na pesquisa anterior)
  • Em branco/nulo/nenhum: 11% (10% na pesquisa anterior)
  • Não sabe: 2% (2% na pesquisa anterior)

Em um cenário simulado com outros candidatos, o resultado é:

  • Lula (PT): 42%
  • Jair Bolsonaro (sem partido): 24%
  • Ciro Gomes (PDT): 10%
  • João Doria (PSDB): 5%
  • José Luiz Datena (PSL): 4%
  • Simone Tebet (MDB): 2%
  • Aldo Rebelo (sem partido): 1%
  • Rodrigo Pacheco (DEM): 1%
  • Alessandro Vieira (Cidadania): 0%
  • Em branco/nulo/nenhum: 10%
  • Não sabe: 2%

E, no segundo turno, a pesquisa Datafolha mostra que Lula vence disparado Jair Bolsonaro. Eis o resultado:

  • Lula (PT): 56% (58% na pesquisa anterior)
  • Bolsonaro (sem partido): 31% (31% na pesquisa anterior)
  • Em branco/nulo/nenhum: 13% (10% na pesquisa anterior)
  • Não sabe: 1% (1% na pesquisa anterior)

Mas a pesquisa Datafolha, além de mostrar a grande vantagem de Lula na eleição presidencial, também trouxe como resultado o recorde de rejeição atingido pelo governo fascista-miliciano de Jair Bolsonaro. 53% dos entrevistados consideram o governo ruim ou péssimo, o que que justifica o desespero de Bolsonaro. Nem as manifestações antidemocráticas do 7 de Setembro, com dinheiro público e de empresários, foram capazes de barrar a ascensão de Lula e a rejeição ao genocida. Se essa tendência continuar, e com a chamada “terceira via” se derretendo, Lula poderá vencer ainda no primeiro turno.

A CARTA DE PINHEIRO E A CAMPANHA DE NOBLAT

Por que nós, jornalistas, acreditamos facilmente nas informações da Lava Jato? E agora, só com muita dificuldade, que ela também errou feio?” (Ricardo Noblat, jornalista, em tweet de 14 de setembro de 2021).

Em menos de uma semana, duas “cartas” impactaram a Nação. A primeira, bem conhecida, escrita por Temer e assinada por Bolsonaro, data de 9 de setembro e nela, manso como um carneiro capado, Bolsonaro pede arrego ao Judiciário. Mas uma outra carta, que não teve tanta repercussão na mídia, especialmente nas patrocinadoras do golpe de 2016, não pode ser ignorada. Trata-se da carta do empreiteiro Léo Pinheiro, escrita à mão, na qual Pinheiro retira as acusações que havia feito contra Lula na Lava Jato. Como se não bastassem os vazamentos de conversas criminosas de Moro com sua gangue; e como se não bastassem as pilhas de processos contra Lula que estão sendo arquivados pela Justiça, agora um ex-delator retira tudo o que disse contra Lula, o que mostra que as delações eram forjadas, fajutas e sob pressão da quadrilha lavajatista comandada por Moro. Sabe-se, inclusive, que Léo Pinheiro já declarou que pretende escrever “outras cartas” voltando atrás em suas delações, o que, mais uma vez, esganiça a farsa golpista e criminosa que foram as acusações, os processos e a prisão de Lula.

A mídia, em especial a Globo e seus penduricalhos, que tanto pedem que o PT faça uma mea culpa, nunca pensou em se desculpar por ter apoiado e participado dos crimes de Moro. Crimes esses que gestaram o câncer fascista que ora “governa” o Brasil. Mas agora o jornalista Ricardo Noblat iniciou um movimento para que a mídia faça uma autocrítica em relação a tudo o que fez contra o ex-Presidente Lula, embora ele também afirme ser muito difícil para a mídia aceitar que ela também errou. Antes tarde do que nunca, embora o estrago já esteja feito e será preciso muito trabalho para recuperar o país. Resta saber quem irá aderir à campanha de Noblat.

VÍDEO: TEMER RI DO GOLPISTA FRUSTRADO

Depois do “socorro” ao valentão golpista, quando escreveu para ele a carta de rendição, Temer agora se diverte com o Bozo, no melhor estilo “pastelão”. No jantar em que o comediante André Marinho, filho do empresário Paulo Marinho, rompido com Bolsonaro, imita o golpista frustrado, Temer e seus convidados se divertiram a valer. E com direito à presença do ressuscitado Naji Nahas. A frustração golpista de Bolsonaro virou riso para o golpista profissional. De quebra, adversários de Bolsonaro escarnecem do valentão que se cagou de medo e pediu arrego. Assistam ao vídeo:

BOLSONARISTAS DE SAPATÊNIS

O que dizer sobre a ausência de partidos e grupos de esquerda em uma manifestação convocada por um grupo de direita, o MBL, e que, de quebra, ainda exibia cartazes pedindo “Volta Temer”? O que dizer sobre a ausência da esquerda em uma manifestação que dizia ter como pauta “Fora Bolsonaro” e passa a ser “Nem Bolsonaro, nem Lula” e ainda exibe boneco inflável representando Lula com roupa de presidiário ao lado de Bolsonaro?

O MBL (Movimento Brasil Livre), um dos organizadores das manifestações “anti-Bolsonaro” de ontem, junto com seus penduricalhos como o “Vem Prá Rua” já vivem, há algum tempo, uma fase de ocaso. Usados desde o golpe contra Dilma, eles apoiaram Bolsonaro e são corresponsáveis pela ascensão ao poder do monstro que hoje “governa” o Brasil. Usados contra o PT, eles apoiaram os crimes de Sérgio Moro para alijar Lula da corrida eleitoral em 2018. Agora, vão às ruas contra o monstro que ajudaram a parir.

As esvaziadas manifestações de ontem mostram que a tal “terceira via” ficou ainda mais inviável. Além do MBL, candidatos que são meros traços nos gráficos da pesquisa eleitoral lá estiveram: Dória, Mandetta, Ciro, o Partido Novo… Nem com todos eles juntos as ruas ficaram cheias. Faltou aquele partido daquele candidato que realmente tem votos e é o único capaz de extirpar o câncer fascista que está no poder.

Sabemos o que eles queriam e por isso entendemos o choro de grande parte da mídia que apoiou o golpe de 2016 e em 2018 surfou na onda fascista “contra o PT”. Eles queriam o PT nas manifestações de ontem para que as ruas ficassem cheias e, no dia seguinte, Merval Pereira estampasse em sua coluna a força da “terceira via”. Floparam! De quebra, ainda deram um fôlego para os bolsonaristas recuperarem um pouco da autoestima que haviam perdido depois da carta de rendição escrita por Temer e assinada por Bolsonaro. Claro que, pelas redes, os bolsonaristas não perderem a chance de comparar o público de ontem com a multidão dos malogrados atos golpistas do 7 de Setembro.

O que o MBL, o Vem Prá Rua, o Dória, o Amoedo, o Mandetta e similares querem pode ser traduzido naquela célebre frase: “Vamos fazer algumas mudanças para que tudo continue como está”. Eles são bolsonaristas, não apenas por terem apoiado o Bolsonaro na eleição. Eles apoiam o Escola Sem Partido. Eles defendem a pauta econômica privatista do banqueiro Paulo Guedes para vender o Brasil. Eles votaram a favor da reforma da previdência. Eles apoiaram a reforma que subtraiu direitos trabalhistas. Eles odeiam professores. Eles odeiam artistas. Eles odeiam servidores públicos. Eles odeiam sindicatos e trabalhadores. Eles são sim bolsonaristas, e apenas querem trocar o coturno pelo sapatênis das lojas Riachuelo.

VÍDEO: BOZO E O “SALAME DO GOVERNADOR”

Em mais um ato explícito de baixaria e descompostura, Jair Bolsonaro vomitou mais uma de suas bobagens, dessa vez em um gracejo homofóbico contra o governador do Rio Grande do Sul, o tucano Eduardo Leite, assumidamente homossexual. A baixaria do “presidente” da República aconteceu na Feira Expointer. Diante de um imenso salame, Bolsonaro excretou pela boca: “Esse salame é do governador!” Onyx Lorenzoni, o ministro bolsonarista, riu e outros lambe-botas que acompanhavam o fascista também “riram”, mas um tanto sem graça.

O governador Eduardo Leite respondeu: “A esse cidadão que queriam que eu desse boas-vindas na Expointer”?

Nossa solidariedade ao governador Eduardo Leite. Mas nunca é demais lembrar que o próprio governador e seu partido, que apoiaram Bolsonaro em 2018, são partícipes da desgraça extremista da direita que assola o nosso país. Assistam ao vídeo:

FASCISTAS EM DESESPERO ANUNCIAM “GAMER OVER”

A retratação humilhante de Jair Bolsonaro junto ao STF e, em especial, ao ministro da Corte Alexandre de Moraes, dois dias depois dos atos golpistas do 7 de Setembro, levaram bolsonaristas à decepção e ao desespero, com muitos deles já tendo anunciado publicamente que foi o “fim do jogo”.

Jackson Vilar, bolsonarista e presidente da Embaixada do Comércio do Brasil, em vídeo que circula pela rede, chamou o seu agora ex-ídolo de “calça frouxa” e mandou o capitão “ir à merda”. De quebra, no auge de sua desilusão, acreditem: lançou Zé Trovão para Presidente da República.

O blogueiro bolsonarista Alan do Santos, indignado, disparou: “Em nota oficial, Bolsonaro pediu desculpas pelas palavras no calor do momento. Na CNN, Temer afirma que escreveu a nota. Game over”

Já o bolsonarista Rodrigo Constantino declarou: “Dia 7: multidão nas ruas com pauta patriótica condenando o arbítrio. Dia 9: Bolsonaro elogia China como essencial e pede desculpas ao STF. Game over”. Já Leandro Ruschel disse que, após o recuo, Bolsonaro “abriu mão da candidatura reeleição”.

O editor do jornal de orientação olavista “Brasil Sem Medo” Bernanrdo Kuster, decepcionado com o recuo e a retratação humilhante do Bozo, disparou: “este é o país do acordão e da negociação”.

O deputado fascista-bolsonarista Otoni de Paula, da tribuna da Câmara, expressou sua tristeza e decepção com Jair Bolsonaro, chamando a “Declaração à Nação” escrita por Temer e assinada por Bolsonaro de “fatídica nota”. Disse ainda, em um ataque de histeria, que “os conselheiros de Bolsonaro o apequenaram”. E terminou o seu discurso: “Lamento presidente, o senhor ficou pequeno.”

As citações dos bolsonaristas que “jogaram a toalha” foram publicadas na coluna “Painel”, da Folha de São Paulo, O Estado de Minas, o site Metrópoles e também em vídeos pelas redes sociais.

O DIABO VOLTOU MESMO PARA A GARRAFA?

“Coube a Michel voltar com o diabo para a garrafa”. (Denise Assis, em artigo publicado no site “Diário do Centro do Mundo” em 9 de setembro de 2021).

Bolsonaro arregou, recuou, se cagou, se ajoelhou ao STF, chamou Alexandre de Moraes de “jurista” e “professor”. Tudo depois de pedir socorro a um golpista experiente, calculista, letrado e conhecedor da Constituição e dos meios ardilosos para agredi-la: Michel Temer. Tendo Temer como ghost writer, Bolsonaro divulgou ontem uma “Declaração à Nação”, que nada mais foi do que uma capitulação. Voltou atrás em todas as declarações golpistas e antidemocráticas que havia bradado no 7 de Setembro, para decepção e, em alguns casos, até desespero de seu gado asinino.

Porém, não é a primeira vez que Bolsonaro capitula pouco depois de vociferar verborragias golpistas e fascistas. E não devemos nos iludir. Há quem diga que Temer “voltou com o diabo para a garrafa”. Mas, cabe perguntar: até quando? Com certeza, o diabo se encolheu, voltou para a sua insignificância como estadista e como pessoa covarde que sempre foi. Mas também é certo que deixou os chifres do lado de fora, pronto para voltar a atacar a qualquer momento. Exatamente como fez em outras oportunidades. O “governo” Bolsonaro, assim como ele próprio, é tão fraco, tão incompetente (até para dar golpe é preciso competência), que teve que pedir socorro a outro golpista (este sim, exitoso, e nessa condição já entrou para a história): Michel Temer. Será que não há no “governo” nenhum articulador político capaz de escrever uma carta pedindo “arrego”?

É sintomático que um eterno conspirador com pulsões golpistas e sempre candidato a ditador venha se socorrer e se “aconselhar” justamente com outro golpista. Pior ainda: o golpista ghost writer foi bem sucedido e conhece tudo de golpe, sabendo aplicá-lo sem a necessidade de colocar sequer uma pessoa na rua e sem precisar de cabo ou soldado. Foi como se um “Luís XIV” frustrado, que caiu na real de que “o Estado não é ele”, pedisse conselhos a um “Maquiavel”. Enfim, que “conselhos” um golpista bem sucedido pode ter dado um golpista fracassado? Não nos iludamos. Por ora, o diabo voltou sim para a garrafa. Só não sabemos até quando. E não nos esqueçamos de que os chifres desta praga ainda estão do lado de fora.

QUEIROZ REAPARECEU…

Quem apareceu ontem em Copacabana, na manifestação golpista liderada por Jair Bolsonaro, foi o miliciano Fabrício Queiroz. Queiroz, que foi preso no ano passado, é réu confesso. Ele admitiu ser o operador das rachadinhas e movimentador financeiro das falcatruas da família Bolsonaro. Foi ele quem depositou os 89 mil na conta da “Micheque”. Ontem ele foi apoiar o ato golpista-bolsonarista. A seu lado, outro encrencado com a Justiça: o deputado Otoni de Paula, que é investigado por atos ameaçadores e violentos contra a democracia. Otoni de Paula, que posou para foto com o miliciano Queiroz, exibia uma camisa enaltecendo o “impoluto” Roberto Jefferson, presidiário e aliado de Bolsonaro. Para quem falava em “fim da corrupção”, o prato foi mais do que cheio. Vocês merecem!

VÍDEO: BANDIDOS BOLSONARISTAS TENTAM INVADIR MINISTÉRIO DA SAÚDE

Um grupo de bandidos bolsonaristas tentou invadir o Ministério da Saúde em Brasília na tarde desse dia 8 de setembro. Um servidor do Ministério que acompanhou a confusão disse que os fascistas cercaram e agrediram um homem que teria criticado o governo Bolsonaro. Em seguida, os meliantes bolsonaristas passaram a atacar profissionais de imprensa. Os arruaceiros fascistas forçaram a porta do Ministério, que teve que ser fechada para evitar a invasão. De quebra, até a equipe da TV Record, que é um tentáculo da Igreja Universal de Edir Macedo, aliado de Bolsonaro, foi hostilizada pelos bolsonaristas. Assistam ao vídeo:

FUX: “NINGUÉM FECHARÁ ESTA CORTE!”

Em resposta ao discurso antidemocrático e às ameaças golpistas de Jair Bolsonaro proferidas claramente em 7 de Setembro, o presidente do STF, Luiz Fux, mandou um recado claro a Bolsonaro: “Ninguém fechará essa Corte!” Na tarde de hoje, um dia após os atos golpistas convocados e comandados por Bolsonaro, onde as instituições democráticas, especialmente o STF, foram alvos de agressões e ameaças do fascista, Fux foi a única autoridade máxima de um poder que mandou na cara de Bolsonaro a resposta que ele merecia. Arthur Lira, o presidente da Câmara dos Deputados apoiado por Bolsonaro, fez um discurso frouxo e conciliador, excetuando-se apenas a menção ao fato de que as eleições de 2022 irão acontecer e com o voto eletrônico. Quanto a Augusto Aras, seu discurso foi sonambúlico. Aras citou Paulo Bonavides e sua fala mais parecia uma aula de Teoria Geral do Estado do primeiro período do curso de Direito. Perdeu uma boa oportunidade de ficar calado.

Ontem Bolsonaro disse, no auge de sua fúria golpista, que Fux deveria “enquadrar” Alexandre de Moraes. Mas hoje, no discurso de Fux, Bolsonaro é que foi enquadrado. O presidente do STF falou que a Suprema Corte não se intimidará diante das ameaças golpistas vindas de Bolsonaro. Ontem, falando ao seu rebanho asinino, Bolsonaro disse que não cumpriria mais qualquer decisão judicial vinda do STF, o que claramente se constitui em crime de responsabilidade. Hoje, a resposta de Fux ao “falso Messias do patriotismo”:

“Ofender a honra dos ministros, incitar a população a propagar discursos de ódio contra a instituição do Supremo Tribunal Federal e incentivar o descumprimento de decisões judiciais são práticas antidemocráticas e ilícitas, que não podemos tolerar em respeito ao juramento constitucional que fizemos ao assumir uma cadeira na corte”.

Fux falou claramente que Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade. E nem precisa ser jurista para concluir isso. E acrescentou que agora cabe ao Congresso tomar as providências. Partidos do campo do centro e até da direita já falam em impeachment. Mas Arthur Lira permanece sentado sobre as dezenas de pedidos. Cabe aos parlamentares e principalmente ao povo pressionar Lira para que se inicie o processo de remoção dessa ratazana fascista da Presidência da República.