REALE E O “GOLPE DE 2022”

Miguel Reale Júnior foi um dos articuladores e signatários do golpe de 2016, que afastou Dilma do poder e abriu caminho para a ascensão da extrema-direita. Juntamente com as Organizações Globo, Estadão, Veja, dentre outras mídias poderosas, o golpe contra a então Presidente Dilma visava favorecer as forças conservadoras, especialmente do PSDB. O próprio Miguel Reale Júnior tem um DNA tucano. Dilma foi golpeada e, junto com ela, a democracia foi agonizando, até a culminância da chegada de Bolsonaro ao poder.

Bolsonaro chegou ao poder pelo voto, é sabido. Porém, no segundo turno de 2018, haviam duas claras e inequívocas alternativas: a de um projeto nitidamente autoritário e fascista de um lado. E a de um projeto democrático do outro. Foi uma oportunidade para os brasileiros refletirem sobre certos “ódios infundados”. Mas o tal “ódio” falou mais alto.

Bolsonaro nunca enganou a ninguém. Todos já o conheciam como defensor da ditadura, apologista de torturadores, racista e inimigo das liberdades democráticas. E os mesmos que defenderam o golpe de 2016 cravaram o “17” nas urnas, “contra a corrupção”. O restante da história, os últimos dois anos já contaram.

Ontem vários veículos de imprensa publicaram a preocupação de Miguel Reale Júnior com a possibilidade de Bolsonaro tentar dar um golpe em 2022. O site direitista, lavajatista e morista O Antagonista publicou uma matéria intitulada “O Golpe de 2022″. Nela, o site direitista fala que, segundo Miguel Reale Júnior, signatário do golpe contra Dilma, Bolsonaro estaria preparando o terreno para um golpe em caso de derrota em 2022. Disse Miguel Reale Júnior:

“O Presidente coloca a imprensa como inimiga dos soldados… Qual a razão de prestigiar cerimônias de soldados da Polícia Militar pregando contra a imprensa livre? A grave menção de que ‘se não tiver voto impresso, esqueça-se a eleição de 2022’, somada à corte que Bolsonaro faz às Polícias Militares, instigadas contra a imprensa livre, forma um quadro preocupante de possível derrota do Presidente, que terá preparado o terreno para uma ‘lei marcial’, tal qual a pensada por Trump, dando fim à democracia, jamais cultuada. E daí?”

Pois é. O doutor Miguel Reale Júnior está preocupado com a possibilidade de golpe de 2022. Mas ele não pensou nisso quando se deixou usar pelos golpistas de 2016. E nem quando foi votar no segundo turno de 2018. Se houver mesmo um outro golpe no Brasil em 2022, como vaticina o doutor Reale, que fique claro: esse golpe teve início em 2016, com o próprio Reale tendo sujado suas mãos, levando o país ao maior retrocesso de sua história. Com medinho de golpe? Embala que o Messias é teu, doutor!

Um comentário sobre “REALE E O “GOLPE DE 2022”

  1. Sérgio

    O golpe contra a presidente Dilma começou nas manifestações de 2013, quando um bando de burros, inocentes e raivosos se deixaram levar pela Rede Globo. Eles também tem que embalar esse messias.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s