TV BRASIL E A TRANSMISSÃO DO JOGO

Não somos contra uma TV pública transmitir qualquer jogo de futebol ou evento esportivo. Porém, fomos surpreendidos com a transmissão, na última terça-feira, do jogo Brasil X Peru pelas Eliminatórias da Copa de 2022 pela TV Brasil. Tudo deu a demonstração de que houve um uso político da TV pública e que, certamente, a emissora teria sido usada como um trunfo para a guerra entre Bolsonaro e a Globo. A Globo queria transmitir a partida, mas não chegou a um acordo sobre os direitos de transmissão e desistiu.

O início da partida foi às 21 horas, horário de pico da Globo. Evidentemente, a transmissão de um jogo oficial do Brasil por outra emissora traria danos à audiência da emissora dos Marinhos. A coisa fica bem evidente, porque em momento algum a TV Brasil anunciou a transmissão da partida. A iniciativa da TV pública só aconteceu depois da desistência da Globo. A notícia de que a TV Brasil faria a transmissão do jogo foi divulgada pelo site Agência Brasil em notícia levada ao ar às 20 horas e 7 minutos, ou seja, menos de uma hora antes do jogo. A própria CBF só confirmou que a TV Brasil transmitiria o jogo às 19 horas e 50 minutos, em seu site.

Mas outras evidências estavam por vir: a bajulação do narrador da emissora, André Marques, a Jair Bolsonaro, quando mandou “um abraço especial ao Presidente, que estava assistindo ao jogo”. Os cumprimentos do narrador ainda foram estendidos ao secretário de Comunicação de Bolsonaro, Fábio Wajngarten e ainda ao presidente da CBF, Rogério Caboclo. O princípio da impessoalidade no serviço público foi jogado no ralo. Não é de hoje que Bolsonaro vem usando a mesma tática da ditadura militar dos anos 1970, de atrelar a seleção e, quiçá, a CBF, ao governo.

E os direitos de transmissão, quem teria pago? Foi divulgado na imprensa que a CBF pagou. Mas, se a CBF pagou e transmitiu a partida pelo seu site, como foi o acordo para a TV Brasil transmitir? Claro que não houve qualquer transparência.

As Eliminatórias só estão começando e o ano da Copa coincidirá, como sempre, com o ano da eleição para Presidente. O uso da TV pública, seja para fins políticos, seja como arma contra desafetos, é uma improbidade inadmissível. E alguns fatos mostram que a CBF começa a ser aparelhada, em uma situação que faz lembrar a antiga CBD dos anos de chumbo. Para quem dizia, como disse Bolsonaro, que iria fechar ou privatizar a TV Brasil porque dava “traço” de audiência e que ele também chamava de “TV do Lula”, parece que agora os planos são outros. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s