NÃO COLOQUEM NO MESMO SACO!

 

lula 3

“Não ousem me comparar ao presidente que eles escolheram. Jamais ameacei e jamais ameaçaria cassar arbitrariamente uma concessão de TV, mesmo sendo atacado sem direito de resposta e censurado como sou pelo jornalismo da Globo.” (Ex-Presidente Lula, no Congresso do PT, em 22 de novembro de 2019).

Não coloquem tudo no mesmo saco. Perguntem a qualquer jornalista, seja da Globo, da Folha, do Estadão, da Veja, em que governo eles sentiram-se mais ameaçados e desrespeitados em suas atividades profissionais: se nos quase 14 anos de governos petistas ou em menos de um ano de governo Bolsonaro. A ideia de falar em “extremos” e afirmar que tanto Lula como Bolsonaro são igualmente uma ameaça à liberdade de imprensa é mais um equívoco que boa parte da grande mídia está cometendo.

Lula jamais aventou a hipótese de cassar a concessão da Globo, ao contrário de Bolsonaro, que fez claramente essa ameaça. E, talvez, um dos grandes problemas da Globo em relação a Lula seja exatamente esse: é que Lula sempre defendeu que, para democratizar a comunicação, ao invés de fechar, deve-se é abrir muitas emissoras. E é justamente aí que está o medo da Globo: perder seu monopólio, que no atual contexto é disputado com a emissora oficial de Edir Macedo, o dono da Igreja Universal e aliado de Bolsonaro. Abrir novas emissoras não pode ser visto como uma ameaça às existentes e sim como uma forma de democratizar e pluralizar as comunicações. Aliás, a “lógica” desses caras é conhecida: eles são a favor da livre concorrência, desde que não haja concorrência aos seus negócios…

Claro que Lula tem que criticar a Globo. Até deve. E muito. Afinal, não apenas Lula, como todo o período de governo petista, foi trucidado pela organização de comunicação da família Marinho. Isso é liberdade de imprensa. Lula, em alguns momentos, teve que rebater ataques da Globo, que liderava a campanha negativa contra o PT, visando sempre beneficiar os tucanos. A Globo já havia apoiado FHC. Depois, apoiou Alckmin, Serra e Aécio. Mas a Globo nunca teve uma atuação equânime em seu jornalismo dito “independente”: ignorava a “privataria” tucana, tocava de modo suave no mensalão tucano ao qual, eufemisticamente, dava a denominação de “mensalão mineiro”. E seus articulistas, tanto na mídia impressa como televisiva, não cansavam de atacar desproporcionalmente tanto Lula e o PT que cometeram sim , erros, mas, e os outros? Onde estava a equidistância de um jornalismo que se apresentava como independente?

Porém, em momento algum, apesar da parcialidade escancarada, nem Lula nem Dilma retaliaram a Globo ou qualquer veículo que lhes atacavam. Apesar de muitos desses ataques serem prévia e cinematograficamente, no melhor estilo hollywoodiano, arquitetados. Como uma absurda condução coercitiva em que Lula sequer foi intimado a depor. Como a chegada de equipes da Globo aos locais de operação antes mesmo da Polícia Federal e do criminoso vazamento da conversa de Dilma com Lula, em consórcio com Sérgio Moro, que deu à Globo o privilégio de divulgar o “furo” que mudaria os destinos do Brasil para a desgraça atual. Claro que diante de todo esse ativismo político, tanto Lula como o PT teriam que se pronunciar e até criticar atuações nitidamente políticas travestidas de “jornalismo independente”. Porém, querer comparar a era do PT com a era Bolsonaro em termos de perseguição à imprensa, é jogar sujo outra vez. Nunca jornalistas e veículos de imprensa foram tão perseguidos e ameaçados como no atual governo. Os ataques de Bolsonaro à imprensa tiveram início ainda na transição e se materializam com suspensão de assinaturas, cancelamento de veiculação de propagandas oficiais, destrato a jornalistas, ameaças (até de morte) a profissionais de imprensa pelas milícias virtuais a serviço do bolsonarismo e pronunciamentos oficiais, em “lives” do Presidente contra a Globo, que remetem a uma baixaria deplorável. Recentemente Bolsonaro até barrou jornalistas da Globo e da Folha em uma entrevista. Quando Lula fez isso? Claro que a Globo ajudou a plantar o que hoje aí está. Porque a Globo (e eles sabem disso!) foi extremamente desproporcional no tratamento dado aos partidos e aos políticos. O linchamento feito ao PT contribuiu em grande parte para a ascensão fascista, da qual a própria Globo hoje colhe e sofre com o frutos podres que ajudou a parir. Por isso, sempre repetimos: eles plantaram um “picolé de chuchu” e colheram um Bozo.

Portanto, que a Globo e outros veículos não coloquem no mesmo saco Lula e Bolsonaro em relação ao trato com a imprensa. Vocês poderão novamente cometer erros fatais. Como já cometeram ao apoiar o golpe de 1964 e a ditadura militar. Como já cometeram ao apoiar Collor em 1989. Como já cometeram em apoiar o bandido Aécio em 2014. Isso sem falar no “escândalo da Parabólica” em 1994 (perguntem ao jornalista Carlos Monforte!) e a tentativa de mudar fraudulentamente o resultado da eleição para governador do Rio de Janeiro em 1982, com o “escândalo da Proconsult”, para dar a vitória ao “gato angorá”. Portanto, não misturem no mesmo saco Lula com um fascista paranoico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s