PSL E OS “COCÔS COMUNISTAS”

20190822_1754031464305568.jpg“Vamos acabar com o cocô do Brasil. O cocô é essa raça de corruptos e comunistas.” (Jair Bolsonaro, em visita ao Piauí, em 14 de agosto de 2019).

Em recente visita ao Piauí ou, na “geografia bolsonarista”, à “Paraíba”, Jair Bolsonaro, eternamente em campanha, falou aos seus ensandecidos seguidores que vai “acabar com o cocô do Brasil”. E que o “cocô” são os “comunistas e corruptos”. Disse ainda, sempre sendo chamado de “mito” pelos seus séquitos, que nas próximas eleições mandará “essa cambada para a Venezuela ou para Cuba”. Mas parece que quem se antecipou foi o presidente de seu próprio partido, o PSL, deputado Luciano Bivar. E Bivar, presidente do partido de Bolsonaro, não foi nem para a Venezuela e nem para Cuba e preferiu ficar por aqui mesmo para encontrar-se com o dirigente do Partido Comunista Chinês, Li Jun. O embaixador chinês também esteve presente ao encontro. A agenda do encontro, pasmem, incluía “estreitamento dos laços partidários” e “trocas de experiência de governança”. Falou-se também do BRICS. Porém, certamente na avaliação de Bolsonaro o presidente de seu próprio partido foi encontrar-se com dois “cocôs”, visto que os interlocutores de Bivar são comunistas.

O guru de Richmond e auto-proclamado “filósofo” Olavo de Carvalho, o “Rasputin” do governo Bolsonaro, certamente não deve ter gostado nem um pouco do encontro de Bivar com o “cocô” chinês e muito provavelmente, tal como Bolsonaro, deverá disparar a sua metralhadora giratória, recheada de provérbios escatológicos, contra o presidente do partido de Bolsonaro.

Evidentemente, o encontro simboliza uma antítese do alinhamento político-ideológico do governo Bolsonaro, declaradamente ancilar do governo de Donald Trump. Especialmente num momento em que a guerra comercial China-Estados Unidos atinge o seu auge, esse encontro sinaliza que o PSL, através de seu representante legal caminha, ao contrário de Bolsonaro e seus séquitos extremistas, para o diálogo com quem pensa diferente. Pode ser um recado da cúpula do partido ao próprio Bolsonaro, com a singela mensagem de que a política é o espaço onde se discutem e se negociam as diferenças. Sem que seja necessário banir ou exterminar os que pensam diferente, como sempre diz Bolsonaro.

Aliás, as defecções no PSL, em relação à agenda bolsonarista, já são visíveis. Alexandre Frota, recém-deletado do partido, e Janaína Paschoal, ainda no PSL, não são os únicos exemplos. A China é uma grande e importante parceira comercial do Brasil e Bolsonaro comete, dentre outros, um grande estelionato eleitoral (claro, enganando seus próprios eleitores), pois, durante a campanha, afirmou que não tomaria medidas com “viés ideológico”. Mas tudo o que faz, desde a “diplomacia com armas”, passando pela educação, segurança e meio ambiente, é sim com viés ideológico ultra-direitista e excludente. Resta saber se, em uma eventual celebração de acordo com os chineses, que são comunistas, Bolsonaro também irá chamá-los de “cocôs”. Ou, quem sabe, usaria um eufemismo, classificando os camaradas chineses como “cocôs, abertos ao mercado”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s