MORO: PARCIAL E CHANTAGISTA

em um relacionamento promíscuo“O juiz não participará das negociações realizadas entre as partes para a formalização do acordo de colaboração, que ocorrerá entre o delegado de polícia, o investigado e o defensor, com a manifestação do Ministério Público, ou, conforme o caso, entre o Ministério Público e o investigado ou acusado e seu defensor.” (Parágrafo 6º do artigo 4º da Lei 12.850/2013 – Lei das Organizações Criminosas).

“O magistrado imparcial é aquele que busca nas provas a verdade dos fatos, com objetividade e fundamento, mantendo ao longo de todo o processo uma distância equivalente das partes, e evita todo o tipo de comportamento que possa refletir favoritismo, predisposição ou preconceito.” (Códio de Ética da Magistratura, artigo 8º).

A lei é clara: o juiz não pode ter qualquer participação em negociações de colaboração premiada, da qual participarão, além do Ministério Público, a Polícia, a pessoa investigada e o defensor. Portanto, não cabe ao juiz “atravessar” ou interferir na negociação. Muito menos chantagear. As últimas revelações do The Intercept, em parceria com a Folha de São Paulo e replicadas por vários outros veículos de comunicação mostram que Sérgio Moro, enquanto juiz, além de parcial, fraudador processual e político, também exerceu o papel criminoso de chantagista.

As mensagens vazadas dessa vez mostram os diálogos entre procuradores, do ano de 2015, que apontam que o então juiz Sérgio Moro interferiu nas negociações de dois executivos da empresa Camargo Correa, desrespeitando assim o que reza o artigo 4º, em seu parágrafo 6º da Lei das organizações Criminosas, a Lei 12.850/2013. Os diálogos mostram que Moro impunha condições para aceitar as delações, quando caberia ao juiz apenas a verificação da legalidade das mesmas. A interferência de Moro era tamanha que o próprio Deltan Dallagnol chegou a dizer ao procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, em 25 de fevereiro de 2015:

“Vc quer fazer os acordos da Camargo mesmo com pena de que o Moro discorde?”

Isso mostra que o próprio Dallagnol era subserviente às ilegalidades cometidas por Moro e, desse modo, era comparsa do mesmo.

O poder de Sérgio Moro não era apenas o de juiz. Ele era o chefe de praticamente tudo e o próprio Dallagnol, em outra conversa com seu colega procurador, reforça isso. Disse Dallagnol a Carlos Fernando:

  “A título de sugestão, seria bom sondar Moro quanto aos patamares estabelecidos.”

A chantagem de Moro estava na condição que o ex-juiz e agora ministro bolsonarista fez para aceitar o acordo de colaboração. Moro exigiu, para aceitar o acordo, que os executivos cumprissem ao menos um ano de prisão em regime fechado, o que é atestado pelas próprias palavras de Dallagnol nas conversas vazadas:

“Acho perigoso pro relacionamento fazer sem ir falar com ele, o que não significa que seguiremos”. “Podemos até fazer fora do que ele colocou (quer que todos tenham pena de prisão de um ano), mas tem que falar com ele sob pena de ele dizer que ignoramos o que ele disse.” 

“Perigoso para o relacionamento…” Moro e Dallagnol: Em um relacionamento sério, promíscuo, ilegal, imoral e criminoso.

“Fazer sem falar com ele…” Ele (Moro) tinha que saber de tudo. E, a exemplo de Fernando Henrique Cardoso, Moro também não podia ser melindrado, porque durante a negociação, da qual o juiz não podia ter participação, os procuradores temiam que o juiz pensasse que tivesse sido ignorado. Sem palavras para dimensionar a promiscuidade a que foi levado o Judiciário por aqueles que deveriam zelar pela lei. Eles são criminosos!

Não existe nada de político ou ideológico ao dizer que Moro, como juiz, foi parcial, político, acusador, fraudador, antiético e chantagista. Basta confrontar os atos de Moro enquanto juiz com a lei. Vejam as agressões de Moro & Cia. à Constituição Federal, ao Código de Processo Penal, à Lei da Organizações Criminosas, ao Código de Ética da Magistratura. Que se pronuncie a Justiça. Pela sua própria defesa. Ou que fique desmoralizada e desacreditada para sempre.

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s