ENTRE “CONJES”, “RUGAS” E “VENTRÍCULOS”

bonco de ventróloquoBolsonaro já afirmou que que vai querer rever muitas coisas, dentre elas o horário de verão, os conceitos históricos e até o acordo ortográfico que foi assinado pelo Brasil em 2008, durante o governo Lula. Talvez Bolsonaro não saiba que o acordo ortográfico tem por finalidade unificar a grafia da língua portuguesa em todos os países que têm o português como língua oficial. Talvez Bolsonaro também não saiba que o acordo ortográfico não foi uma medida “do Lula”, e sim um acordo internacional, firmado em 1990, no governo Collor, tendo como signatários Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Só o acordo ortográfico levará o português, nossa língua pátria, a tornar-se uma língua internacional, o que era impossibilitado pelas diferentes grafias. E entendemos que quem se diz “patriota” deveria ter muito orgulho de ver a língua oficial de sua Pátria tornar-se internacional.

Mas agora parece que  já começamos a entender o porquê de Bolsonaro insurgir-se contra o acordo ortográfico da língua portuguesa. Crédito para o ministro Moro. Parece que Sérgio Moro quer criar uma nova ortografia e até uma riqueza semântica para o português falado no Brasil. Depois do “conje”, ao invés de cônjuge para se referir a uma pessoa com quem outra está casada, o ministro da Justiça, no programa do Bial, afirmou que “tem rugas pontuais com Gilmar Mendes.” Em princípio não dá para acreditar que o ministro Moro tenha qualquer “ruga”, ainda que pontual, visto ser o seu rosto mais liso do que o nosso bolso em final de mês. Mas pode ser também que o ministro Moro tenha tido a intenção de ampliar a riqueza semântica da palavra “ruga” para que ela passe a significar, também, “desentendimento”. Moro também já tinha pronunciado a expressão “Câmera Federal”. Acredito que para se referir aos 513 deputados federais. Mas não seria “Câmara” ministro? Ou será que o ministro da Justiça referia-se a uma super-máquina fotográfica para registrar os 513 deputados federais no plenário? Será que o Bolsonaro tirará o Brasil do acordo para criar, além de uma nova ortografia, também uma nova semântica?

Mas talvez não seja só por causa do “marreco de Maringá” que Bolsonaro queira tirar o Brasil do acordo ortográfico. Seu filho Carlos, o tuiteiro, parece que vem dando grandes contribuições para a nova ortografia e também para a nova semântica. Porque em um de seus tuítes ele fala de boneco de “ventrículo”:

ventríloco carlos bolsonaro

É bem provável que o “boneco de ventrículo” ao qual Carlos Bolsonaro se refere seja um boneco bem romântico, daquele que emite a voz que vem lá do fundo do coração. Mas não nos esqueçamos: uma voz vinda sempre do ventrículo direito, jamais do esquerdo, senão acabaria o romantismo porque o boneco seria “comunista”. Ou seria um boneco em forma de coração? É. Pode ser.

E ainda nem falamos do “indentificados” do próprio Jair Bolsonaro, que só pode mesmo ser uma nova proposta ortográfica. Até porque no teclado a letra “d” fica bem distante da letra “n”:

indentificadas de bolsonaro

Enquanto os “conjes”, “rugas”, “câmeras federais” e “bonecos de ventrículos” vão rolando e sendo “indentificados” no universo bolsonarista, chegamos a uma conclusão: o Lula é analfabeto.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s