BRIZOLA, DARCY E O TEMPO

brizola e darcy“Se os governadores não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”. (Darcy Ribeiro)

No debate um tanto letárgico dos candidatos a Governador do Rio de Janeiro, um detalhe nos chamou a atenção: alguns ex-governadores e ex-secretários foram citados. Quase todos de forma extremamente negativa. Com exceção de Brizola e Darcy Ribeiro. O tema “segurança pública” dominou o embate. Mas “educação” sempre acabava sendo considerado o ponto central para a prevenção da criminalidade. Escolas em tempo integral, profissionalização do estudante visando o primeiro emprego, criação de mais escolas. Quando o candidato Pedro Fernandes citou a máxima de Darcy Ribeiro nenhum, rigorosamente nenhum candidato, ousou discordar. E, associado a isso, todos, rigorosamente todos, admitiram que a intervenção federal na segurança fracassou e foi um equívoco. Parece que esses dados nos permitem dizer que o tempo deu razão a Brizola e Darcy Ribeiro.

Só para falarmos do Estado do Rio de Janeiro pós-fusão (portanto, a partir de 1975), passaram pelo Palácio Guanabara os seguintes governadores: Chagas Freitas (que era biônico nomeado pela ditadura), Moreira Franco, Brizola, Marcello Alencar, Garotinho, Rosinha, Sérgio Cabral e Pezão. Pezão, Sérgio Cabral, Moreira Franco, Marcello Alencar, Garotinho e Rosinha foram mencionados de forma negativa, seja por seus governos ou pelo envolvimento em irregularidades. Não houve quem os defendesse, com exceção de Garotinho, defendendo a própria mulher. Diversos ex-secretários também foram citados, sempre de forma negativa. O único ex-governador citado de forma positiva foi Brizola, junto com Darcy Ribeiro, em relação à prioridade que deram à educação, especialmente com o projeto dos CIEPs de tempo integral, projeto destruído por Moreira Franco. Não houve quem criticasse Brizola e Darcy.

Enquanto Brizola, juntamente com Darcy Ribeiro, saíram incólumes do debate, os demais ex-Governadores foram malhados como Judas no Sábado de Aleluia. O legado de Brizola e Darcy para a educação do Rio é tão presente que quem o mencionou foi o candidato Pedro Fernandes (candidato que até tem um histórico de perambular por partidos de direita) do PDT, nascido exatamente no ano em que Brizola começou o seu primeiro governo, ou seja, em 1983.

Se a política educacional de Brizola e Darcy não foi contestada e a intervenção federal na segurança foi, unanimemente, considerada um fracasso, estamos convencidos de que o tempo falou mais alto do que qualquer candidato. Falou mais alto do que as armas. Falou mais alto do que a turma do “tiro, porrada e bomba”. Porém, o tempo sempre dá chance e ainda temos mais 20 anos. Esse primeiro debate já nos trouxe uma primeira grande lição.  A lamentar, apenas a presença de “um peixe fora d’água”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s