CENTRÃO SE ENTREGA AO SANTO

SOLIDARIEDADEO chamado “Centrão”, aglomerado de legendas partidárias de pequena expressão, mas altamente fisiológicas, acabou, finalmente, aderindo ao candidato tucano Alckmin, vulgo “Santo” na lista de propinas da Odebrecht. O apoio do “Centrão”, formado por DEM, PP, PRB, PR e Solidariedade, estava sendo disputado por Alckmin e Ciro Gomes, do PDT. Mas, certamente, o “DNA golpista e fisiológico” dos penduricalhos que formam o “Centrão” falou mais alto. O acordo selado com o “Santo” é do tipo “vamos mudar algumas coisas para que tudo continue como está.” A primeira consequência é o desaparecimento da candidatura de Rodrigo Maia, do DEM, candidatura esta que, na verdade, jamais existiu. No acordo com o “tucano de auréola”, Rodrigo Maia negociou sua permanência na Presidência da Câmara dos Deputados. Mas a coisa não fica por aí. “Paulinho da Força” exigiu a criação de uma contrapartida que substitua o imposto sindical, para que seus sindicatos pelegos continuem sobrevivendo e ele possa distribuir carros na festa de Primeiro de Maio. Vejam que ele nem fala em revogação da reforma trabalhista, que suprimiu direitos dos trabalhadores.  O PR, do mensaleiro Valdemar Costa Neto, tem a promessa de nacos do governo. O PP, de agenda totalmente direitista, não sente nenhum desconforto. E o PRB alcança basicamente o eleitorado evangélico e ultra-conservador. Fundamental nesse acordo foi a participação do golpista Temer, que não queria o “Centrão” apoiando Ciro Gomes que, com muita propriedade, chamou Temer de “quadrilheiro”. Lembrando que vários ministérios do governo golpista são ocupados por partidos do “Centrão”. Assim, nem precisa dizer que o candidato do Temer é o Alckmin, coisa que já falamos há tempos aqui no blog. Quanto ao Henrique Meirelles, do (P)MDB, vai morrer na pista, com os 70 milhões de seu bolso que colocaria em sua campanha e o 1% das intenções de voto. Meirelles agora ficou mais isolado do que centro-avante de time na retranca. Certamente, sua retirada da disputa é uma questão de tempo. Até porque não interessa mais a Temer que ele permaneça. O candidato de Temer é, sem dúvida, o “tucano de auréola”.

A vantagem de ter o apoio do “Centrão”, em termos eleitorais, é o seu ecletismo: o “Centrão”, embora pouco representativo, é tentacular: pega votos de sindicatos pelegos, da direita liberal e de evangélicos ultra-conservadores. Esse apoio do “Centrão”, na verdade, era absolutamente esperado.

Quanto ao Ciro Gomes, é hora de bandear para a esquerda. Com que cara? Onde estava ele no dia 7 de abril? Já sei. Ele vai dizer que, por ser o Dia da Abdicação, renunciou de ir a São Bernardo, em respeito à data histórica. Agora, mais do que nunca, ele vai ser “Lula Livre!” 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s