TEMER E O DORMONID DO SBT

temer no programa silvio santosNo último domingo, dia 28, o Brasil assistiu a um dos espetáculos mais ridículos, dantescos e rocambolescos já protagonizados por um Presidente da República em toda história do Brasil. A vexatória participação de Temer no Programa Sílvio Santos para fazer propaganda de sua criminosa reforma da previdência nos dá a exata aferição do ponto a que a coisa chegou. Vale tudo para aprovar a reforma dos banqueiros e do grande capital estrangeiro. A reforma, aliás, estava no “combo” dos compromissos do governo que tomou a Presidência de assalto quando o grande empresariado apoiou o golpe.

A tática de Temer tem por objetivo ganhar apoio popular ao projeto. Claro que o “script” foi muito bem ensaiado, com o senhor Abravanel também entrando no jogo ridículo de fazer perguntas combinadas. Conversa vai e vem, e eis que Sílvio Santos pergunta o que acontecerá se a reforma não for aprovada. Temer então diz que aconteceria no Brasil o mesmo que já aconteceu em Portugal e na Grécia: em dois ou três anos, a previdência não teria mais dinheiro para pagar os aposentados. Temer então, pediu para que as pessoas apoiem a reforma e peçam aos seus deputados para votarem a favor dela.

Temer disse que a reforma pretende proteger os mais pobres, mas não falou porque ela não atinge juízes e militares, por exemplo. Se a reforma é assim tão boa, por que não abrange todas as categorias? Ele também não falou sobre as dívidas milionárias de bancos e empresas com o INSS. Muitos dos grandes devedores são, inclusive, deputados e senadores que apoiam o seu governo. Só para darmos um exemplo, a empresa de segurança do Presidente do Senado, Eunício Oliveira, aliado de Temer, deve 8,5 milhões ao INSS . Ele também não falou se é justo alguém ter que contribuir 49 anos com a previdência (se começar a trabalhar aos 18, por exemplo, só se aposenta aos 67) para receber 954 reais, já que ele mesmo aposentou-se aos 55 anos e recebe mais de 30 mil reais. Ele também não falou se é justo uma viúva, por exemplo, receber apenas 50% da pensão, quando o trabalhador pagou integralmente por toda vida.

Ao final da ridícula encenação, Temer puxou uma nota de 50 reais e deu a Sílvio Santos. Isso não foi só a brincadeira do “Quem quer dinheiro?”, visto que, certamente, simbolizou o aporte financeiro que o governo vem liberando às emissoras, através de publicidades oficiais,  para que elas façam a apologia da reforma. Em suma, Temer apropriou-se do espaço de uma concessão pública, que é a televisão,  para fazer propaganda política, acrescentando mais uma prática criminosa em sua já extensa folha corrida. Pelo menos, se ele deixou-se chegar a esse ridículo, é sinal de que a reforma muito dificilmente será aprovada.

Lembro-me que, nos anos 70, Sílvio Santos tinha em seu programa um quadro chamado “Boa noite, Cinderela!”, onde algumas meninas se candidatavam para experimentar o par de sapatos trazido pelo príncipe. A vencedora, além de ser a “Cinderela” daquele domingo, ganhava vários prêmios. Pelo roteiro, a menina mais pobre sempre vencia. Dessa vez foi diferente. Sílvio Santos levou o presidente golpista ao seu programa para dar um verdadeiro “Boa noite Cinderela!” no povo. Claro que, com a reforma da previdência, os mais pobres perderão (e muito) e privilégios como os de juízes e militares permanecerão. Os bancos irão se dar bem vendendo planos de previdência. E aposentadoria será um privilégio de poucos idosos. Em alguns estados do Nordeste, levando-se em conta a expectativa de vida, a “aposentadoria” só virá com a morte.

O auditório de Sílvio Santos, sempre bem comportado, aplaudiu. E nessa história não existe príncipe encantado. Coitadas daquelas meninas! Que covardia!  Levaram um “Boa noite, Cinderela!”  de dois sapos  velhos e ricos. Haja Dormonid!

“BOTAFOGO” E “DÉSPOTA” NA MIRA

rodrigo maiaodebrecht_sede_altNo dia 30 de setembro de 2010, uma quinta-feira, às 12 horas e 25 minutos, o Sr. Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia, nome completo do Presidente da Câmara dos Deputados, esteve na sede da Odecbrecht, no Rio de Janeiro. Os dados estão contidos nos registros da portaria da empresa, já em poder da Polícia Federal. Poderia se dizer que este dia teria sido um dia como outro qualquer, não fosse uma outra constatação: foi nessa mesma data que o famigerado “setor de propinas” da Odebrecht liberou a importância de 100 mil reais para o “Caixa 2” da campanha do Sr. César Epitácio Maia, pai do ilustre visitante da empresa naquele início de tarde de Primavera.

Os beneficiários eram tantos que, para facilitar suas identidades, a empresa mantinha também uma extensa lista de alcunhas, todas já conhecidas. “Botafogo” é o codinome de Rodrigo Maia, por ele ser torcedor do alvinegro de General Severiano. Já “Déspota” é o apelido de César Maia, uma alcunha nada condizente com quem diz ter militado contra a ditadura. A lista dos apelidos, que ficou nacionalmente conhecida, é curiosa e risível:  “AngorᔓCaju”“Missa”“Gripado”“Boca Mole”“Todo Feio”“Caranguejo”, dentre muitos outros. Mas, falemos de “Botafogo”“Déspota”.

A entrega do dinheiro era agendada e, naquele dia, “Botafogo” foi, com certeza, o emissário do “Déspota”. Mesmo que ele não tenha sido a “mula”, é quase impossível dissociá-lo desse enredo subterrâneo. Rodrigo Maia, segundo as investigações, teria retornado à empresa em 2012, 2013 e 2014. Ao ser questionado sobre o fato, Rodrigo Maia, o “garoto de estimação bem comportado do Temer”, disse não se lembrar de ter estado na empresa naquele dia. O esquecimento de Rodrigo Maia faz sentido porque, com certeza, ele esteve lá tantas vezes que não seria capaz de lembrar-se de um dia específico.

Rodrigo Maia surge como candidato a presidente da República pelo DEM e já responde a dois inquéritos no âmbito do STF. Coberto pela redoma do “foro privilegiado”, dificilmente ele ficará de fora das eleições desse ano, seja para Presidente, seja para qualquer outro cargo. O cara é “ficha limpa”. Seria muito bom que os “indignados seletivos e de ocasião”, ao menos no momento de digitarem seus votos na urna eletrônica, ficassem atentos a isso e não tivessem suas crises convulsivas de ódio direcionadas apenas para um único partido. E, indo na contramão do clichê do futebol, pensem que “há coisas que também têm que acontecer com  o Botafogo

 

 

CARNAVAL COM FÉ E O CACIQUE DE RAMOS

cacique de ramos no cristo redentorFaltam duas semanas para o Carnaval e, ao menos o carnaval carioca, já foi abençoado. E com a presença do Cacique de Ramos, o bloco carnavalesco da Leopoldina que é patrimônio cultural do Brasil. Numa época em que temos um Prefeito avesso ao carnaval e ao samba, então a Igreja Católica tomou a iniciativa de abençoar esta que é a maior manifestação da cultura popular brasileira, mostrando que a fé não exclui a folia e vice-versa. É uma pena que o Pastor-Prefeito não abrace o que há de mais característico da cultura da nossa cidade. No carnaval passado ele não realizou a entrega simbólica da chave da cidade ao Rei Momo e nem compareceu aos desfiles na Sapucaí.

Mas ontem, aos pés do Cristo Redentor, o padre Omar, daquele Santuário, abençoou o carnaval carioca, com a participação de diretores e integrantes do Bloco Cacique de Ramos. Com a presença do presidente do bloco, Bira, do diretor Tuninho Cabral, além de vários outros integrantes, o carnaval carioca foi muito bem representado. O Padre Omar ainda prometeu que a cerimônia de bênção do carnaval carioca passará a ser uma tradição.

O Carnaval está tão ligado à religiosidade que foi a Igreja Católica, durante a Idade Média, que estabeleceu a sua data. Primeiro determinou-se a Páscoa, cujo domingo será  após a primeira lua cheia da Primavera no hemisfério norte. A terça-feira de carnaval será 47 dias antes. Tudo determinado pela própria Igreja Católica.

Que a bênção do padre Omar traga muita paz e alegria para o carnaval da nossa cidade e parabéns a todos os integrantes do Cacique de Ramos por, mais uma vez, fazerem história. Desta vez naquele que é o monumento sagrado e turístico mais representativo de nossa cidade.

 

 

O TAPETE E A POEIRA DO JUIZ

poeira debaixo do tapetejustiça tucanaO juiz Ricardo Leite que, com extremo rigor, ordenou o confisco do passaporte do ex-Presidente Lula, não demonstrou ser rigoroso em outras situações, especialmente envolvendo altos funcionários de bancos privados envolvidos na Operação Zelotes, que apura corrupção no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais.

Ricardo Leite tornou-se muito conhecido durante esta semana ao tomar uma medida que até mesmo a mídia anti-Lula considerou absurda e desnecessária. Como considerar possível fugitivo alguém que informa à Justiça o dia,  a hora e destino de seu embarque? Como muitos, a impressão que se tem é a de que o ilustre magistrado quer tirar “uma onda” de fama no caso que envolve o ex-Presidente. Mas é bom que todos saibam a poeira que está debaixo do tapete desse juiz.

Ricardo Leite já vinha sendo investigado por sua atuação na Operação Zelotes, que sempre foi dificultada por ele. O rigor com Lula não se repetiu em pedidos de prisões preventivas de envolvidos na operação. Do mesmo modo, o juiz Ricardo Leite determinou o fim de interceptações telefônicas que poderiam elucidar e comprovar crimes cometidos por altos funcionários dos bancos Bradesco e Santander. Ele também sustou operações de buscas e apreensões da referida operação. Mas viu grande perigo em Lula fazer uma rápida viagem, de não mais de três dias, tendo informado a data e o destino. Claro que debaixo do “tapetão” dos gabinetes de alguns magistrados exite muita poeira.

Sérgio Moro, por exemplo, “não viu” os 500 milhões do Escândalo do Banestado envolvendo tucanos. Também absolveu Cláudia Cruz, mulher de Cunha, apesar da farta documentação comprobatória de suas contas no exterior. Adriana Anselmo, a “bandoleira do Leblon”, também foi absolvida por ele. Agora, Ricardo Leite demonstra ter a mesma lente seletiva de Moro para tomar decisões contra alguns e poupar outros. Isso sem falar que os processos de crimes contra tucanos mofam, apodrecem e prescrevem no tribunais. Os crimes de Serra foram declarados prescritos no mesmo dia da confirmação da condenação de Lula. Os de Eduardo Azeredo e Aécio estão indo para o mesmo caminho. Todos tucanos. Só para darmos um exemplo, o “mensalão tucano” é de 1998 e seus responsáveis jamais foram punidos. O do PT é de 2003 e todos já foram julgados, sentenciados e presos.

Não podemos acreditar em uma Justiça severa para uns e suave para outros. Se os escândalos dos tucanos tivessem o mesmo rigor da Justiça, poderíamos acreditar em isenção. Mas ninguém é obrigado a acreditar na Justiça. E eu não acredito em “Justiça seletiva”. Muita poeira deve ser apurada (e depurada) debaixo dos tapetes desses tribunais!

 

EM OLARIA, ESCOLA BERLIM CERCADA PELO ESGOTO

escola berlim

A pouco mais de uma semana do início do ano letivo a Escola Municipal Berlim, localizada na Praça Ramos Figueira, em Olaria, está cercada pelo esgoto a céu aberto. A escola tem duas entradas: uma pela praça e outra pela Rua Noêmia Nunes. Todas as áreas de entrada e saída da escola estão cercadas por esgoto e aqueles que não quiserem se contaminar terão que fazer verdadeiros malabarismos para desviarem das águas fétidas que contaminam o local, expondo não apenas os alunos da Escola Berlim, mas também moradores da região.

O problema é recorrente. A área que circunda a escola é frequentemente tomada pelo esgoto. Moradores e comerciantes da região já fizeram várias reclamações à CEDAE, que não dá uma solução definitiva ao problema. A Escola Municipal Berlim funciona nos três turnos, tendo à noite o projeto de educação para jovens e adultos. O local também é um marco cultural da região, pois na Praça Ramos Figueira localiza-se o “Reduto Pixinguinha” onde, no terceiro domingo de cada mês, o Grupo 100% Suburbano realiza o tradicional festival de chorinho.

Infelizmente, e como sempre, a Leopoldina e, especialmente, o bairro de Olaria, são esquecidos pelas autoridades. Na atual situação, pior ainda. A CEDAE, empresa estadual, além de viver a crise resultante dos saqueadores liderados pelo bandido Sérgio Cabral, está dada como garantia para o empréstimo feito pelo Estado. Por outro lado, já se percebeu que o governo municipal “não está nem aí” para uma escola em Olaria cercada pelo esgoto. A Zona Norte e as regiões mais carentes parecem não existir no mapa do município para esse Prefeito. Não foi sem motivos que ele e seu secretário candidato a governador foram hostilizados e colocados para correr na Comunidade da Maré nesta semana.

O governo municipal tem o dever de exigir da Companhia Estadual de Águas e Esgotos a solução imediata e definitiva desse problema, de grave ameaça à saúde pública. Se servir de alguma coisa, é bom lembrar ao Bispo-Prefeito que, bem próximo dali, está localizada uma Igreja Universal. E achamos que o Sr. Prefeito não deixaria o “cocô sagrado e multivitaminado” de seus fiéis correr a céu aberto.

PASSAPORTE, ABUSO E VITRINE

passaporteetiópiaImaginem um condenado pela Justiça de seu país arquitetar uma fuga para o exterior. Imaginem ainda que este condenado avise, com bastante antecedência aos juízes que o condenaram, o dia e a hora de sua fuga. E mais ainda: o condenado avisa aos juízes o destino de sua fuga. Pergunta-se: essa fuga teria algum êxito?

O confisco do passaporte de Lula pelo juiz substituto da 10a. Vara Federal de Brasília, Ricardo Leite, foi mais um abuso do Poder Judiciário contra o ex-presidente Lula. A viagem de Lula para a Etiópia já estava agendada há tempos e os desembargadores do TRF-4 foram informados pela defesa do ex-Presidente que Lula seguiria para a Etiópia na noite do dia 25 de janeiro e retornaria ao Brasil no dia 28. Lula seria participante de um evento que debate o problema da fome na África. O Poder Judiciário estava informado e os próprios desembargadores que tiveram mãos pesadas contra o ex-Presidente não fizeram nenhuma restrição à sua viagem. Afinal, qual o fugitivo que informará dia, hora e destino de sua fuga?

O que ocorre é que a onda de ódio que tomou conta de Lula e de seu partido estão levando ilustres desconhecidos ao delírio para tirarem uma “casquinha”. Há juízes que querem ser os “arautos e messias” da Justiça. Tipo um “Rambo de Curitiba” que, há alguns anos, não viu o Escândalo do Banestado, que envolvia tucanos, embora esse escândalo tenha passado em suas mãos.

Dessa vez, um juiz “regra 3”, porque é substituto (ou reserva), determinou o confisco do passaporte de Lula, o que o impediu de participar do evento na Etiópia. Claro que o juiz Ricardo Leite quer ter os seus momentos de glória na carona do caso de Lula. Mas parece que sua vitrine o expôs ao ridículo. Até o comentarista político da Rádio CBN, Kennedy Alencar, em seu comentário de hoje, afirmou que “proibir viagem de Lula é abuso e erro judicial”. Lembrando que a Rádio CBN pertence às Organizações Globo,  cujos veículos de comunicação são assumidamente anti-Lula. A mesma visão sobre o caso teve o jornalista Ricardo Boechat, em seu comentário na Rádio-TV Bandnews, quase que no mesmo horário do comentário de Kennedy Alencar. E Ricardo Boechat está longe, muito longe de ser um defensor de Lula.

O caso de Lula está trazendo ao país novos tipos. Um deles é o “juiz-vitrine”, aquele que quer aparecer de algum modo para uma galera enraivecida (muitos, mais emburrecidos do que enraivecidos). Afinal, o juiz “regra 3”, com seu ato abusivo e ilegal, tornou-se um pouco conhecido. Seu nome hoje foi exposto nos jornais, rádios, TVs e sites.

Hoje eu não rasgo a mídia. Hoje eu vou quebrar a vitrine de um ilustre desconhecido que quer pegar carona nas ondas que estão levando o Brasil para um caminho que, infelizmente, poderá recolocá-lo nas trevas do autoritarismo político. Espero que eu esteja enganado em relação ao juiz. O que se passou na cabeça desse ilustre magistrado? Pode ser que eu esteja enganado. Talvez, o eminente magistrado entendesse que não fazia sentido Lula ir discutir a fome na África, quando, a partir de 2016, o próprio Brasil tenha voltado ao Mapa da Fome da ONU. Então, o senhor juiz achou por bem que Lula deveria permanecer aqui para discutir o problema da fome no Brasil. Faz sentido. Muito prazer, doutor Ricardo Leite!

ATÉ QUANDO ?

lula guarujá 1982A história dá voltas interessantes. E o que o ódio não faz!  Em 13 de novembro de 1982,  o jornal O Estado de São Paulo acusava Lula de ter uma casa no Guarujá. Isso mesmo. No Guarujá. Lá se vão 36 anos. Era uma época em que o ex-Presidente apenas atuava como líder sindical, mas que desafiou a então agonizante ditadura militar com greves e uma mobilização impensável para a época.  Tempos depois, Guarujá está aí, de novo. Agora, um triplex. Que é dele do mesmo modo que diziam que a Friboi era.

Ontem, dia 24 de janeiro,  o julgamento do recurso do ex-presidente Lula não trouxe nenhuma novidade em seu resultado. Que a justiça teria “mãos pesadas” contra Lula não é de surpreender. Mas, quase que como simbolicamente, nessa mesma data (e, claro, o fato passou quase que despercebido), a Procuradoria Geral da República pediu o arquivamento das denúncias contra o tucano José Serra pelo crime de “caixa 2”. A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, aquela que “ia mudar o mundo”, entendeu que o caso prescreveu e Serra não poderá mais ser punido. Mais uma vez um tucano sendo livrado de pagar as contas com a Justiça, no mesmo dia em que Lula teve sua condenação confirmada. Enquanto o inquérito do tucano prescreveu, Lula, em tempo recorde, teve seu recurso julgado e negado por unanimidade, além de ter a pena aumentada.

Vi manifestações na internet das mais variadas. Desde um cara que falava que, a cada voto dos desembargadores, bebia uma marca diferente de uísque. Não sei se as três doses o deixaram bêbado, se bem que já está anestesiado há muito tempo. Mas o anúncio do bar que dizia dar um percentual de desconto para cada ano a mais na pena do ex-presidente, aí já foi demais. Desafio o dono desse bar a dar desconto a cada dia que um tucano estiver solto. Até quando?

Eduardo Azeredo,  tucano criador do mensalão, nunca pagou pelos seus crimes. Esse ano o inquérito também irá prescrever. Aécio, com provas robustas de tráfico de cocaína, corrupção e ameaça de morte, foi livrado pelo STF e pelo Senado. Está solto. Continua senador. É “ficha limpa” e pode disputar as eleições. Serra, investigado por propina de 23 milhões e “caixa 2”, está solto. Continua senador. É “ficha limpa”. Pode disputar as eleições. Alckmin, envolvido nos escândalos do metrô e da merenda escolar, nunca foi incomodado pelo Justiça. Está solto. Continua governador. É “ficha limpa”. Pode disputar as eleições e é, inclusive, o candidato de muitos que ontem comemoraram. A mansão de FHC em Paris jamais foi questionada ou causou qualquer indignação a essa mesma gente.

Lula ontem teve seu recurso negado. Continua condenado por dizerem que é dele um imóvel que está em nome da OAS. Ele também era o dono da Friboi , assim como também era o dono de uma casa, também no Guarujá, em 1982. Provavelmente será preso. Será considerado “ficha suja” e fatalmente não disputará as eleições. Não consigo entender o que essa gente comemorou ontem. Não se trata de defender o Lula. Mas continuo a esperar por uma “justiça para todos.” Até quando?