OLARIA REPUDIA O FASCISMO

bolsonaro fascista.jpgOlaria reagiu. O outdoor do fascista Jair Bolsonaro, candidato da extrema direita a Presidente da República,  apareceu pichado. E com uma resposta à altura, mostrando que fascismo e ditadura no Brasil não serão mais tolerados. A propaganda do defensor da ditadura e da tortura traz a seguinte mensagem: “Quando a Nação se aproxima do caos somente os verdadeiros patriotas se apresentam para defendê-la.” Em outro trecho, o fascista também exalta os golpistas de 1964, a quem chama de “heróis”. 

O cartaz, que está localizado próximo à estação de Olaria, logo chamou a atenção e a reação foi rápida. Antifascistas escreveram, abaixo da mensagem de Bolsonaro a resposta: “Ditadura nunca mais!”

O local do outdoor é emblemático. Bem perto dali, encontra-se a Igreja de São Geraldo, um dos ícones da religiosidade leopoldinense. A Igreja São Geraldo de Olaria foi, em fins dos anos 1960 e início dos anos 1970,  um pólo de resistência à ditadura em sua fase mais violenta, ou seja, em plena vigência do AI-5. Na Igreja, os padres Antônio Olmos e Cipriano acolhiam jovens idealistas que combatiam a ditadura e eram perseguidos pelo governo militar. Aliás, a intelectualidade e a arte olarienses estavam muito bem representadas por nomes como Perfeito Fortuna e Nilson Moraes. Esses e outros nomes,  abrigados na Igreja, exibiam peças teatrais e incentivavam a resistência. É famoso o gesto do padre Antônio Olmos, quando, enfrentando as forças repressoras, disse aos policiais que “na Casa de Deus a polícia não entraria”. E não entrou.  Padre Antônio Olmos era espanhol e fugiu da ditadura de Franco, onde era perseguido. Aqui, teve que combater outra ditadura. Os militares tentaram expulsá-lo do país. Mas a interferência  do Cardeal Eugênio Sales manteve-o no Brasil. Ainda tive o prazer de ser seu colega na Escola Municipal Aníbal Freire, onde, já como professor, o ex-padre disseminou seus ensinamentos a milhares de jovens.

E hoje, quase 50 anos depois, um outdoor do candidato que exalta torturadores, como Brilhante Ustra, aquele que se divertia enfiando ratos vivos nas vaginas das presas políticas, aparece bem próximo à Igreja que foi um centro de resistência a essas e tantas outras barbaridades. Pregando um discurso de ódio a negros, índios, mulheres,  homossexuais, trabalhadores, quilombolas e incentivando a militarização do país, o “patriota que bateu continência para a bandeira dos Estados Unidos” tenta convencer os olarienses e leopoldinenses de que crise se resolve com ditadura. E, por mais que este parapsicopata e seus seguidores insistam, a mensagem de Olaria, queiram os “saudosistas”  ou não, será ecoada em todo Brasil: “Ditadura nunca mais!”

32 comentários sobre “OLARIA REPUDIA O FASCISMO

  1. Eustáquio

    O título correto deveria ser: “Olaria viaja na maionese da esquerda!” Pegue a palavra ditadura, veja seu significado e compare com o que ocorreu no Brasil. Veja leis, regulamentos militares e decretos que dizem quando e onde se PRESTA continência (não existe bater continência) em casos de bandeira de outro país. Sem falar no fato de estar enaltecendo o crime de dano.

    Curtir

  2. Olá Eustáquio! Seja bem-vindo! Esse é um espaço democrático (coisa que seu candidato não é) e o contraditório sempre terá a sua voz. Sei o significado de ditadura. Bolsonaro representa isso: o AI-5, os ataques à democracia, a tortura. Quanto às leis militares, não sou obrigado a conhecê-las. Sou civil. “Bater” e “prestar” continência na linguagem comum são equivalentes. Achei uma observação muito purista. E não estamos falando em esquerda ou direita. Falamos em “antifascistas”. Até a direita liberal é antifascista. Bolsonaro representa sim a extrema direita: E quanto a enaltecer crime, seu candidato é que enaltece, por exemplo, o estupro, quando disse para uma mulher que “só não a estuprava porque ela não merecia”. Foi até condenado. Vá pela sombra e feliz 1964 para você.

    Curtir

  3. Eustáquio

    Bolsonaro não é meu candidato. E concordo que ele seja radical em alguns (quase todos os aspectos). Apenas não sou adepto dessa história de discordar 100% de um candidato só pelo fato de ser ele ou pelo fato de estarmos em posições ideológicas diferentes. Sobre Ditadura, sendo breve no significado e origem da palavra: Ditadura é um regime governamental onde todos os poderes do Estado estão concentrados em um indivíduo, um grupo ou um partido. O que não ocorreu no Brasil.
    Vejamos: O período que chamam de ditadura no Brasil, ocorreu entre 1964 e 1985. Legislativo, Executivo e Judiciário não ficaram concentrados em um único indivíduo, grupo e/ou partido. Até porque nesse período houveram x presidentes (ditadores sob a ótica de vocês) Sendo 1 deles, João Goulart (PTB) que, mesmo estando em território nacional, foi deposto pelo Pre sidente do SENADO FEDERAL, que declarou vagas a Presidência e a Vice-Presidência da República, assim empossando o Presidente da Câmara dos Deputados como o chefe da nação. e Pela SEGUNDA vez, Ranieri Mazzilli presidiu interinamente a Nação (2º presidente do período, e o 1º “ditador” do período que chama de ditadura). Sendo esse, um CIVIL, do partido PSD. Isso ocasionou uma “tal” Marcha da Vitória, onde alguns historiadores, dizem terem comparecido cerca de 1 milhão de pessoas. Fora a saudação por importantes setores da sociedade.

    Em uma contradição inexplicável o 2º “Ditador”, o Marechal Castelo Branco (ARENA) foi ELEITO pelo Congresso Nacional como Presidente da República, tendo sido eleito como Vice-Presidente o CIVIL José Maria Alkimim (PSD). E vale lembrar que em 1965, houveram eleições nas unidades federais. Eleições onde havia situação e oposição, inclusive aqui no Estado da Guanabara, quem vencei foi a Oposição. 1965 Não era aqui a capital? Imagina como deveria ser um opositor a “ditadura” e governar onde a “ditadura” acontece. Vale lembrar que um dos atos mais notáveis do “fascista” Castelo Branco foi combater o fascismo na Itália. Não consigo imaginar como um fascista combate o fascismo.

    Então o 2º “Ditador” passou a faixa para o 3º “Ditador, o Marechal Costa e Silva (ARENA) e como Vice-Presidente assumiu o CIVIL Pedro Aleixo (UDN). Aí que surgiu o famoso AI-5 né? Mas foram tantos Atos Institucionais que creio que a LEI, permitia. Lei essa criada no Legislativo, Legislativo esse que não estava nas mãos do “DITADOR”, ou seriam “DITADORES”?

    Depois de 2 meses sob o controle de uma junta provisória (sem partido), a faixa foi para o 4º “Ditador”, o General Médici (ARENA) tendo como Vice-Presidente o Almirante Augusto Rademaker (Arena) – Quanto tempo para ter um VP Militar, reparou? Nem vou entrar na questão econômica que ocorreu com esse “ditador” pois não é o foco aqui. E o PC do B (Comunistas Opositores?) Existia depois de tanto tempo de ditadura? Pois é, existia e promovia uma Guerrilha (Araguaia) que, por sinal foi finalizada por este “ditador”

    Aí esse “ditador” se “cansou” de ditar também. como fizeram os outros “ditadores” e passou a faixa para o 5º “Ditador”, o General Geisel (ARENA). Calma aí, é o 5º mesmo? Perdi a conta e fiquei meio confuso, com tantos “ditadores”, tendo em vista que o conceito de ditadura define 1 ditador. Mas continuemos. O Vice-Presidente de Geisel foi o General Adalberto Pereira dos Santos (ARENA). E acho que cansaram de “ditar” também e passaram a faixa para o SEXTO “ditador”, o General João Figueiredo (PSD), sendo seu VP o CIVIL Aureliano Chaves (UDN).

    Até que surgiu um herói chamado José Sarney, E com uma tropa super armada, veio e matou o “Ditador”, ou seriam “ditadores”? #SQN

    Os “ditadores” ficaram todos cansados de “ditar” no Brasil e não arrumaram mas “ditadores” e todos cansados de “ditar” entregaram o Brasil a quem? Mao Tse-Tung? Ou foi ao Kim Il-sung? Talvez tenha sido entregue a Fidel Castro né? Mais próximo.

    Mas o que mais achei interessante em sua réplica, foi querer justificar um erro com outro erro. Mas não vou sair por aí, cometendo danos porque um candidato que não simpatizo ou concordo cometeu algum erro, até porquê iriam cessar as opções de erros para tentar justificar outros erros.

    Curtir

    1. Castello Branco, em seu próprio discurso de posse, em 1964 (e isso é documento), afirmou que a intenção dos militares era realizar uma intervenção transitória para, em 1966 devolver o poder a um civil eleito. Mas a chamada “linha dura” venceu. E instalou-se sim, uma ditadura, principalmente entre 1968 e 1978, período de vigência do AI-5. Muitos militares não eram golpistas, como hoje muitos também não são. Basta ver que a maioria dos punidos pela ditadura foram militares (hoje anistiados). Sobre ditador, o ditador não governa sozinho. Ele tem uma rede de poder. Veja Hitler, por exemplo. Sobre Pedro Aleixo: foi o “golpe dentro do golpe”. Não cumpriram a Constituição feita por eles mesmos e colocaram uma Junta Militar no lugar do Vice. Não quero justificar erro errando (posso até errar). Não quero é que outros equívocos sejam cometidos em meio à “crise”. Porque nas crises surgiram as maiores ditaduras da história. Abraços!

      Curtir

  4. Eustáquio

    P.S. Ninguém tem obrigação de conhecer todas as leis (creio ser um fato impossível de ser realizado). Mas como professores que somos, temos a obrigação de conhecer algo sobre o que vamos falar, para não correr o risco de disseminar uma informação falsa ou errada.

    Curtir

  5. Eustáquio

    Mas quem referendou o Marechal Costa e Silva como o 3º “Ditador” foi o CONGRESSO NACIONAL. Se o Marechal Castello Branco disse algo e isso não foi seguido. Esse fato torna um referendo do Congresso em Ditadura por parte de 6 “Ditadores? (1 Civil e 5 Militares)

    Curtir

    1. Um Congresso sob ameaça, pressionado. Do mesmo modo que esse mesmo Congresso ameaçado e pressionado “aprovou” a Constituição de 1967, que oficialmente foi promulgada, mas na prática foi imposta. Até que, em 1968 editaram o AI-5 e o Congresso, na prática deixaria de existir. Muitos oposicionistas foram cassados tendo por base o AI-5.

      Curtir

  6. Eustáquio

    Mas se um 1 único ser formado em 6 pessoas é Ditador. Para que ele precisa de um congresso para ter que ameaçar. Se para ser ditador ele tem que, por definição, centralizar os poderes? Constituição na Ditadura? A conta não bate ou não houve ditadura!

    Curtir

    1. Amigo: Congresso, partido de oposição (MDB)… tudo para dar à opinião pública internacional “ares democráticos”. Era a chamada “oposição consentida”. Existia até a “Arena II” (não é sacanagem!). Quando a oposição começa a incomodar, aí vem o AI-5. Você deve saber que o ano de 1968 foi emblemático não só no Brasil, mas no Mundo.

      Curtir

  7. Eustáquio

    Veja bem, não estou debatendo sobre ter sido certo ou errado, nem se concordo ou discordo sobre o que aconteceu nesse período histórico. Apenas estou discordando de chamar o que ocorreu nesse mesmo período, de ditadura. Levando em conta o significado e definição da palavra ditadura. A não ser que tenha havido mudanças nos dicionário da Língua Portuguesa sobre a palavra DITADURA.

    Curtir

    1. Escola sem partido para quem? Para todos? Ou só para algumas escolas? O problema é que o projeto “Escola Sem Partido” afetaria apenas a LDB e não o ensino militar. Recentemente, uma escola militar no Amazonas exaltava e fazia campanha política para Bolsonaro. Aí pode? Sugiro que leia outro artigo no blog intitulado “Escola sem partido para quem?” Obrigado pela visita.

      Curtir

  8. RAFAEL FREITAS

    Eustáquio, perdi tempo lendo sua matéria, principalmente quando chegou no trecho “Pregando um discurso de ódio a negros, índios, mulheres, homossexuais, trabalhadores, quilombolas”, quando Bolsonaro pregou quaisquer desses assuntos? E outra coisa prestar continência a bandeira de outro país se trata de uma demonstração de respeito com o mesmo, independente qual seja aquele país, aliás respeito esse que não vemos mais na pauta do cenário político nacional. Então se você quer criticar esse presidenciável não utilize falsos argumentos, pois enfraquecem seu ponto de vista. Abraço!

    Curtir

    1. Olá Rafael! Em primeiro lugar, obrigado pela visita. Em relação ao ódio pregado por Bolsonaro contra negros, quilombolas, índios, etc., assista ao vídeo de sua patética palestra na Hebraica-Rio. Está no Youtube. Ele chama quilombolas e índios de vagabundos e diz que devem ser pesados a arrobas (medida de peso de gado). Não é falso argumento. São declarações dele. Em relação à mulher, também está em vídeo, disse em tom raivoso que só não estuprava uma deputada porque ela não merecia. São afirmações dele mesmo. Abraços.

      Curtir

  9. Julio César Marques

    Esses pseudos emergentes suburbanos, acham que são da elite. DITADURA NUNCA MAIS !!
    VAMOS TRATAR O MALDITO BOLSONARO COMO ELE TRATA NEGROS, ÍNDIOS E MULHERES !!
    PODERÍAMOS INICIAR, INTRODUZINDO UM RATO VIVO EM SUA ÂNUS. SERIA BRILHANTE…

    Curtir

    1. Olá Ademir! Obrigado pela visita. Seu comentário está publicado na íntegra. Aliás, seu argumento é muito forte e, por isso, é bom que seja visto. Volte sempre, embora você, certamente, irá sentir-me mais à vontade no site da Marine Le Pen ou do MBL. Abraços!

      Curtir

  10. Luan

    Esse Eustáquio é uma piada! O Brasil viveu SIM uma DITADURA, Os Militares não caracterizam um Grupo? e esse grupo esteve no poder rasgando a constituição de 1964 a 1985. O Jango só queria as reformas de Base, as reformas que acabariam com a desigualdade da distribuição de terras que vivemos até hoje. Uma pena que ele não resistiu e permitiu 21 anos de dívida externa, torturas e perseguições ideológicas. DITADURA NUNCA MAIS!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s