INDEPENDÊNCIA PARA QUEM ?

independencia do brasilescravidãoEm 7 de setembro de 1822 o Brasil tornava-se, oficialmente, independente de Portugal. O “Grito do Ipiranga”, no entanto, não significou a independência para todos. A escravidão continuava. A grande maioria  do povo não podia votar. As terras e todas as riquezas continuavam nas mãos dos mesmos. O ato “heroico” do príncipe português D. Pedro contemplava apenas os anseios de uma elite latifundiária e escravista que via  seus interesses serem contrariados com a política colonial. Os testemunhos dos que acompanhavam a comitiva do príncipe são quase que unânimes ao dizerem que a “parada técnica”  às margens do Rio Ipiranga teve como motivo uma necessidade fisiológica. Isso tem um grande simbolismo: ele cagou para o povo brasileiro. E isso ficaria muito claro nos seus 9 anos de governo, até ir embora em 1831 e tornar-se D. Pedro IV de Portugal.   A Independência não alterou a estrutura social, econômica e política do Brasil que manteve, após o “7 de Setembro”, as heranças injustas da colonização.

Ao “Grito do Ipiranga” seguiram-se vários “Gritos dos Excluídos”, os gritos daqueles que queriam sim a independência, mas uma independência acompanhada de mudanças que levassem a uma sociedade justa. Como a Independência não tinha vindo para todos, não tardaram a surgir rebeliões, de norte a sul do país, daqueles que já eram excluídos desde a época colonial. Essas revoltas estenderiam-se por todo o Império e República, mostrando que a Independência era um  processo: quando escravos lutavam pela sua liberdade; quando camponeses lutavam por terras; quando mulheres lutavam pelo sufrágio; quando trabalhadores lutavam por seus direitos… Em todos esses casos, a Independência estava sendo conquistada, com muitos deles dando suas vidas por uma sociedade mais justa.

Hoje, passados 195 anos do “Grito do Ipiranga”, outros  “gritos” , não oficiais, ainda se ouvem na busca por um  Brasil verdadeiramente livre e soberano. O grito dos trabalhadores contra os ataques a seus direitos conquistados; o grito  dos estudantes por melhor ensino;  o grito de negros e mulheres  por uma verdadeira inclusão social; o grito das populações indígenas por suas terras e direitos;  o grito do povo, de um modo geral, por respeito, justiça e dignidade. A todos esses gritos somam-se, hoje, o grito pelo fim da corrupção e pela devolução de um governo legítimo e que represente os interesses da maior parte do povo brasileiro.

Amanhã é dia 7 de Setembro. Que seja um dia de celebração mas, também, de reflexão. Reflexão porque é mais um dia para pensarmos do que para festejarmos. E também para agirmos. Principalmente contra aqueles que comemoram a Independência, mas insistem em querer quer a dignidade, os benefícios do que é produzido e o respeito, sejam exclusividade deles.  Que seja um dia para lutarmos, cada vez mais, por uma independência para todos. Assim estaremos construindo a verdadeira ordem e o verdadeiro progresso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s